Breves
Inicio | Economia | Ministra da Agricultura no Algarve desafia empresas a investirem na produção de atum em aquacultura

Ministra da Agricultura no Algarve desafia empresas a investirem na produção de atum em aquacultura

© Filipe Farinha/Lusa
© Filipe Farinha/Lusa

A ministra da Agricultura e do Mar desafiou hoje as empresas a investirem na produção de atum em aquacultura, tal como já se faz no Algarve com a corvina, e mostrou-se empenhada em estabelecer parcerias com instituições japonesas.

“Nós temos aqui uma extraordinária oportunidade de intensificar trabalhos neste domínio e alcançar o desafio de produzir atum em ciclo fechado em Portugal, como já se faz no Japão”, afirmou Assunção Cristas, que quer promover uma parceria entre a Universidade de Kinki e a Universidade do Algarve.

A governante falava aos jornalistas a bordo de uma embarcação para a captura de atum, frente à Fuseta, ao largo de Olhão, após ter observado atuns a serem alimentados, peixe que na sua rota migratória é capturado e conduzido para a armação da empresa Tunipex, que tem atualmente um cardume com cerca de 1.000 exemplares.

Os atuns ali capturados, alguns com quase 200 quilos, são transportados em grande quantidade para o Japão, na carga de aviões comerciais, sobretudo a espécie bluefin, uma das mais apetecíveis para o mercado do sushi e cuja rota migratória passa pelo Algarve.

“O desafio para nós, do ponto de vista do país e do ponto de vista comercial, é encontrar empresas que possam trabalhar para termos fechado o ciclo do atum, como temos já o da corvina, que é não só engordar o atum, mas produzi-lo desde o início”, sublinhou Assunção Cristas.

A ministra, que no começo de julho esteve no Japão, contou aos jornalistas que na Universidade de Kinki, em Osaka, existem dois restaurantes nos quais a instituição vende o seu próprio atum, criando receitas para a investigação.

Assunção Cristas revelou ainda já ter falado com o reitor da Universidade do Algarve sobre a possibilidade de ser estabelecida uma parceria com aquela instituição japonesa, protocolo que envolveria também o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) e a Tunipex.

Antes de assistir à alimentação dos atuns, a ministra assistiu também à trasfega de corvinas juvenis para uma jaula oceânica de grandes dimensões onde o IPMA está a ensaiar a produção de corvina em aquacultura, peixe que, por enquanto, não é comercializado, sendo doado a instituições sociais.

Verifique também

Mais de 20 mil pessoas esperadas na 38.ª Concentração de Motos de Faro

Mais de 20 mil pessoas são esperadas entre hoje e domingo na 38.ª Concentração Internacional …