Inicio | Em Breve | Misericórdia de Faro volta a promover Procissão do Enterro do Senhor, das mais imponentes do Algarve

Misericórdia de Faro volta a promover Procissão do Enterro do Senhor, das mais imponentes do Algarve

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

 

Promovida pela Santa Casa da Misericórdia de Faro decorrerá na próxima Sexta-feira Santa, 19 de abril, a partir das 21h, a solene Procissão do Enterro do Senhor, das mais imponentes manifestações litúrgicas que decorrem no Algarve, sendo presidida pelo bispo do Algarve, D. Manuel Quintas, que pronunciará o sermão à saída do préstito da igreja da Misericórdia, junto ao Jardim Manuel Bivar.

A popularmente designada Procissão do Senhor Morto, cuja organização conta com vários apoios, entre os quais da Câmara Municipal de Faro e do Moto Clube de Faro, para além de outras entidades, seguirá o seguinte percurso: Praça D. Francisco Gomes, Rua 1º de Maio, Rua Lethes, Rua Sacadura Cabral, Largo 25 de Abril, Rua Mouzinho de Albuquerque, Rua João de Deus, Largo dos Combatentes (junto ao Tribunal), Rua de Santo António, Rua D. Francisco Gomes e recolhe à igreja da Misericórdia.

As celebrações da Semana Santa em Faro remontam a 1678, ressaltando pela sumptuosidade a tradicional Procissão do Enterro do Senhor, evocando a paixão de Cristo, sendo as ruas ricamente decoradas e as varandas e janelas adornadas com colchas e velas acesas para acolher o cortejo. O secular préstito procura anualmente reviver, com densidade silenciosa, o episódio protagonizado por José de Arimateia. Pilatos, depois da confirmação da morte de Jesus, entregou o corpo de Cristo a este membro do conselho do Sinédrio para que fosse sepultado.

A Procissão do Enterro do Senhor –, uma das de maior expressão realizada no Algarve, logo depois da de Nossa Senhora da Piedade (Mãe Soberana) e da da Festa das Tochas Floridas –, que percorre as principais artérias da capital algarvia perante a presença e participação de milhares de pessoas, sai aberta por uma representação a cavalo da GNR e um friso de tochas.

Segue-se a matraca, cujo som áspero que se ouve ao longe, e que simboliza as ondas de ódio amontoadas pelos judeus à volta de Cristo. A certa distância vem o guião ladeado por duas lanternas. Alguns metros desviada, a iniciar as alas os balandraus com tochas, a cruz com o lençol pendurado. Entre as alas, o “tumbinho” carregando o corpo de Cristo, debaixo do pálio.

Participam ainda no préstito autoridades eclesiásticas, civis e militares, as Ordens Terceiras de Nossa Senhora do Monte do Carmo e Franciscana Secular, a Irmandade da Misericórdia, os Bombeiros Municipais e Voluntários de Faro, os agrupamentos do Corpo Nacional de Escutas, os grupos dos Escoteiros de Portugal e a companhia da Associação de Guias de Portugal, entre outras entidades e instituições. No meio, seguem os três andores, comportando as imagens de Nossa Senhora, o apóstolo João e Maria Madalena, os três que permaneceram junto à cruz.

A organização sugere e agradece aos moradores das habitações por onde passará o cortejo que coloquem colchas, colgaduras ou panejamentos nas janelas à passagem do mesmo.

Verifique também

Religiosos a trabalhar no Algarve iniciam mês de maio com reflexão sobre a Virgem Maria

Os consagrados – sacerdotes, irmãos ou irmãs, pertencentes a um(a) instituto/congregação religioso(a) – a trabalhar …

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.