Inicio | Cultura | Monumentos do Algarve batem recorde com cerca de meio milhão de visitas

Monumentos do Algarve batem recorde com cerca de meio milhão de visitas

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Os monumentos tutelados pela Direção Regional de Cultura do Algarve registaram de janeiro a novembro um número recorde de perto de meio milhão de visitantes, o que representa um aumento de 10,6% comparativamente com 2017, anunciou o organismo.

A Direção Regional de Cultura do Algarve (DRAPALG) precisou que este registo foi alcançado nos monumentos “afetos à Direção Regional de Cultura do Algarve, com estruturas de acolhimento – Fortaleza de Sagres, Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe, Monumentos Megalíticos de Alcalar e Ruínas Romanas de Milreu –“, que conseguirem até novembro “o maior número de visitantes desde que existem registos, aproximando-se, no seu conjunto, às 500.000 visitas no final 2018”.

“Até novembro deste ano, de 427.972 visitantes do ano anterior, passou para 473.340, correspondendo a um aumento global de 10,60%”, quantificou o organismo público num comunicado.

A mesma fonte precisou que “a afluência de visitantes nos diferentes monumentos não é simétrica, quando comparada com o ano anterior” e houve locais onde a “tendência verificada foi de ligeira redução em relação aos valores do ano passado”.

“Mas mais uma vez foi na Fortaleza de Sagres que se verificou o crescimento mais expressivo, contribuindo para os valores globais alcançados”, salientou a DRAPALG, frisando também que foram os estrangeiros quem mais contribuiu para esses números, com “85,36%, contra 14,64% de nacionais”.

O único monumento onde a diferença entre visitantes estrangeiros e nacionais mais se esbateu foi o Megalítico de Alcalar, que registou a entrada de 45,46% de visitantes portugueses, acrescentou a Direção regional algarvia.

“Estes imóveis têm vindo a ser dinamizados através do programa DiVaM, com várias atividades de caráter multidisciplinar, que têm permitido aos visitantes e comunidades locais a fruição desses espaços com incremento de oferta cultural”, destacou a DRAPALG, referindo estarem em curso “intervenções de manutenção e valorização com recurso a candidaturas a fundos comunitários e nacionais” em alguns destes monumentos.

A Direção Regional congratulou-se com o “trabalho efetuado nestes monumentos ao longo dos anos” e exemplificou o reconhecimento que lhes tem sido dado, “nomeadamente à Fortaleza de Sagres, com a atribuição da Marca Património Europeu em 2015 e mais recentemente o título honorífico de ‘Lugar Internacional de Cultura e Paz’, atribuído pelo Observatório Internacional de Direitos Humanos”.

Verifique também

“Eu não tenho nada (…) eu não devo nada”

Encarar uma situação má na nossa vida com sentido de humor, normalmente só acontece passado …