Breves
Inicio | Economia | Moradores de Loulé querem reanimar centro histórico e atrair mais residentes

Moradores de Loulé querem reanimar centro histórico e atrair mais residentes

Centro_historico_louleUm grupo de moradores de Loulé, nascido em tertúlias promovidas pela Casa da Cultura local, quer “ressuscitar” o centro da cidade, atraindo mais residentes e promovendo a reabilitação dos edifícios, disse à Lusa um dos membros.

“A ideia é criar parcerias de trabalho em vários domínios, informais ou não, onde se estabeleçam práticas de cooperação” que permitam ganhar residentes, recuperar o património edificado, assumir o centro como local de convívio público e conseguir nova dinâmica económica, explicou Joaquim Mealha.

Com esse objetivo em mente, o grupo começou a preparar no ano passado um documento, sob o lema “habitar, trabalhar e divertir”, que aponta possíveis soluções para dinamizar o centro da cidade, resumiu o responsável, apelando à participação da população e de entidades.

“Há coisas que cairão na esfera de domínio da intervenção do município, mas há outras que passam muito pela iniciativa dos cidadãos e da mobilização dos cidadãos”, explicou Joaquim Mealha, frisando que é necessário que proprietários e comerciantes se unam e criem estratégias conjuntas.

Neste prisma, o grupo tenta também encontrar soluções que abracem as instituições culturais da cidade e do concelho, para que estas possam contribuir para a dinamização e animação cultural da cidade, tornando-a mais atrativa.

O Festival MED (música), é o maior evento a ter lugar no centro histórico, anualmente, em junho, mas Joaquim Mealha ressalvou que o certame por si só não basta, comparando-o a “um balão que enche e depois vaza”.

Também o sábado é um dia particularmente movimentado na cidade, que recebe muitos turistas que visitam o mercado tradicional, no centro da cidade, e outro mercado numa zona mais limítrofe, mas onde se vendem roupas e outros produtos.

Joaquim Mealha defende que é necessário “dar uma dimensão a Loulé enquanto cidade mercado e criar uma linha de continuidade, criando pontos de ligação” a espaços com outras atividades.

O grupo promoveu um encontro no sábado, aberto à população, para receber e discutir propostas.

Verifique também

Reitor da UAlg e presidente da Câmara de Faro apontam à mudança do mercado de alojamento dos estudantes

O reitor da Universidade do Algarve (UAlg) considera que “daqui a 10 ou 15 anos …