Inicio | Sociedade | Morreram 30 pessoas nas estradas algarvias em 2017 e 192 ficaram gravemente feridas

Morreram 30 pessoas nas estradas algarvias em 2017 e 192 ficaram gravemente feridas

Foto de arquivo © Samuel Mendonça

Segundo dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), morreram em 2017 30 pessoas no distrito de Faro, vítimas de acidentes rodoviários, menos duas do que em 2016 e menos sete do que em 2015.

De acordo com os números disponibilizados no ‘site’ da ANSR, que contabilizam dados acumulados de todo o ano, o distrito de Faro foi o sexto do país, juntamente com os distritos de Braga e Coimbra (também com 30 mortos), a registar maior número de vítimas mortais.

Segundo a mesma fonte, o distrito de Faro foi o segundo do país com mais feridos graves registados em 2017 – 192 – e o quarto a registar maior número acidentes rodoviários – 10.752.

No que diz respeito aos feridos graves, Faro aparece logo depois do distrito de Lisboa (311), tendo tido em 2017 mais 30 casos do que em 2016 e mais 25 do que em 2015. Relativamente aos acidentes rodoviários, o distrito de Faro surge logo depois dos distritos de Lisboa (26.698), Porto (23.606) e Braga (10.980), tendo tido em 2017 mais 511 acidentes do que em 2016 e mais 1.262 do que em 2015.

Os dados da ANSR referem-se a Portugal continental, que teve no total 509 mortos, e são ainda provisórios.

Segundo anunciou em dezembro o ministro da Administração Interna, o Governo quer já no início deste ano definir objetivos para reduzir a sinistralidade rodoviária e refletir sobre qual a intervenção necessária nos atropelamentos, álcool e acidentes com motociclos, os três principais fatores de risco.

Para o ministro, Portugal tem números “absolutamente inaceitáveis de atropelamentos nas áreas urbanas”, sendo necessário “identificar as causas e circunstâncias e agir sobre elas”.

com Lusa

Verifique também

Diocese do Algarve assinalou Dia Internacional da Pessoa com Deficiência com sensibilização para a inclusão

A Diocese do Algarve assinalou no passado sábado, com uma marcha inclusiva e atividades lúdico-desportivas …