Pub

D. Júlio Tavares Rebimbas, antigo bispo do Algarve, auxiliar do Patriarca de Lisboa, primeiro prelado de Viana do Castelo e arcebispo-bispo do Porto, morreu esta segunda-feira, 6 de Dezembro, aos 88 anos de idade.

“Em todos estes relevantes cargos eclesiais, o Senhor D. Júlio foi um dedicado Pastor do Povo de Deus, concretizando o espírito e as determinações do Concílio Vaticano II, quer nas iniciativas que tomou quer no seu modo cordial e próximo de estar e proceder com todos. Foi constante amigo do seu clero e deixou em todas as Dioceses que serviu um rasto de gratidão e simpatia, inteiramente merecidas”, escreve o bispo do Porto, D. Manuel Clemente, em texto publicado no site da diocese.

“A Diocese do Porto está profundamente grata ao Senhor D. Júlio Tavares Rebimbas, guarda no coração o seu testemunho e pede a Deus a maior recompensa dos seus muitos e generosos trabalhos”, acrescenta o prelado.

O corpo de D. Júlio Tavares Rebimbas chega esta segunda-feira à catedral do Porto, pelas 10h00, onde ficará em câmara ardente, realizando-se às 21h30 uma vigília de oração.

Na terça-feira, às 14h30, também na Sé, decorre a celebração exequial, seguindo o cortejo fúnebre rumo a Bunheiro, Murtosa (diocese de Aveiro), terra natal do prelado, onde será sepultado em jazigo de família.

Ecclesia

Nota Biográfica

Filho de Sebastião Tavares e de Maria Antónia Tavares Rebimbas, nasceu na freguesia de S. Mateus de Bunheiro, concelho da Murtosa, em 21 de Janeiro de 1922.

Frequentou o colégio de Ermesinde e o seminário de Vilar, no Porto até 1939, passou pelo seminário dos Olivais, em Lisboa, pelo seminário de Santa Joana em Aveiro e concluiu o curso teológico no seminário dos Olivais, em 1945.

Foi ordenado presbítero pelo arcebispo-bispo de Aveiro, D. João Evangelista de Lima Vidal, em 29 de Junho de 1945, em Pardilhó. Em 1946 foi nomeado pároco de Avelãs de Cima e Avelãs de Caminho, em Anadia.

Em 1959, foi nomeado monsenhor pelo papa João XXIII.

Em 21 de Janeiro de 1962 foi eleito vigário capitular da diocese de Aveiro, por falecimento de D. Domingos da Apresentação Fernandes e em 8 de Dezembro do mesmo ano, assumiu o cargo de governador do Bispado de Aveiro, na ausência de D. Manuel de Almeida Trindade. Em 1963, passou a Consultor Diocesano e de novo Vigário geral.

Fundou, em 1954, o boletim “Família Paroquial”, o Centro de Formação e Assistência de Ílhavo, o Património dos Pobres de Ílhavo, o “Lar de S. José” destinado a pessoas idosas e 18 casas para famílias pobres.

Em 27 de Setembro de 1965 foi eleito, pelo Papa Paulo VI, Bispo do Algarve e tomou parte na última sessão do Concílio Ecuménico Vaticano II. Em 26 de Dezembro, dia de Santo Estêvão, do mesmo ano, foi ordenado Bispo, no Estádio Municipal de Ílhavo. No final de Janeiro de 1966 tomou posse da Diocese do Algarve.

Em 01 de Julho de 1972 foi eleito Arcebispo de Mitilene e Auxiliar do Cardeal Patriarca de Lisboa e em 03 de Novembro de 1977 foi eleito pelo papa Paulo VI para primeiro Bispo da Diocese de Viana do Castelo, criada na mesma data.

A 12 de Fevereiro de 1982 foi nomeado Bispo do Porto e, na mesma data, Administrador Apostólico de Viana do Castelo.

Tomou posse da Diocese do Porto em 2 de Maio de 1982 e no dia 15 de Maio recebeu o Santo Padre João Paulo II, no Porto. Eleito no mesmo ano para o Conselho Permanente do Episcopado Português foi nomeado em Janeiro de 1986 para Membro da Congregação dos Bispos.

Em 31 de Maio de 1997 recebeu a Medalha de Honra da Câmara Municipal do Porto e em 30 de Junho de 1997, com a nomeação de D. Armindo Lopes Coelho para Bispo do Porto, foi aceite a sua resignação como Bispo do Porto.

Pub