Inicio | Economia | Municípios de Olhão e Ilha de Moçambique podem geminar-se até final de fevereiro

Municípios de Olhão e Ilha de Moçambique podem geminar-se até final de fevereiro

Camara_municipal_olhaoO presidente da Câmara de Olhão disse que espera concluir até final do mês um acordo de geminação com a ilha de Moçambique, na sequência de uma proposta apresentada por responsáveis do município moçambicano da província de Nampula.

António Pina adiantou à agência Lusa que quer apresentar “durante fevereiro” aos órgãos municipais a proposta de geminação com a ilha de Moçambique e deslocar-se ao País Africano de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) “ainda este mês” para oficializar o acordo.

O autarca de Olhão mostrou interesse na parceria com a câmara da Ilha de Moçambique, que estabelecerá os moldes da cooperação para a formação de quadros e troca de experiências ao nível municipal, mas também pode promover criar sinergias empresariais para um melhor aproveitamento das potencialidades económicas da ilha.

“Há um processo de intenções, nós fomos visitados pelo presidente da Câmara municipal da Ilha de Moçambique e por um colega da vereação de Nampula e o presidente [Saíde Abdurremane] Gimba demonstrou essa vontade. E nós também estamos disponíveis e interessados em colaborar”, afirmou o autarca algarvio.

António Pina explicou que a geminação entre o município português e o moçambicano vai refletir-se “na transferência de know-how no que se refere à gestão municipal, seja no setor da água e dos resíduos, seja na ajuda à formação dos seus técnicos através dos chefes de departamento ou mesmo na organização de todo o sistema camarário”.

O presidente da câmara algarvia disse haver também “vontade do ponto de vista económico de ter contributos dos empresários de cá para desenvolver projetos naquela zona”, o que pode abrir oportunidades e novos mercados para as empresas do concelho de Olhão se expandirem.

O autarca frisou que essa cooperação económica entre empresas de Olhão e de Moçambique é já uma realidade no setor da exploração de sal, mas pode haver outras áreas em que haja possibilidades de cooperação, como o turismo.

“Há já uma experiência com uma empresa de Olhão, do grupo Salexpor, que está a tentar ajudar a desenvolver a produção de sal naquela zona”, exemplificou.

Questionado sobre quando o acordo poderia ser oficializado, António Pina respondeu que espera “durante fevereiro apresentar a proposta à câmara de Olhão e ainda durante o mês ir a Moçambique firmar o acordo”.

Verifique também

Presidente da AMAL aplaude transportes mais baratos, mas diz ser preciso tempo para ajuste

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) aplaudiu ontem a implementação do Programa de …