Inicio | Cultura | Música antiga da Europa Central e do Norte em Festival de Música Barroca de Faro

Música antiga da Europa Central e do Norte em Festival de Música Barroca de Faro

A música da Europa Central e do Norte e uma homenagem ao compositor francês François Couperin são os atrativos do 4.º Festival Internacional de Música Barroca de Faro (FIBMF), que arranca na sexta-feira, na catedral da cidade.

O festival, que se prolonga até 02 de junho, vai levar à capital algarvia “alguns dos melhores músicos da Alemanha, Hungria, Suíça, Noruega, Islândia, Japão e Portugal” e conta também com a participação do grupo de flautas do Conservatório Regional de Faro, disse à agência Lusa a diretora artística, Filipa Oliveira.

O concerto de abertura vai realizar-se às 19:00 de sexta-feira na Sé de Faro e será “dedicado à música religiosa de François Couperin”, no ano em que se assinala o 350.º aniversário do seu nascimento, efeméride que também estará em destaque nesta edição, destacou a diretora do FIBMF.

“[O festival] vai ter quatro concertos, três por grupos profissionais e um pelos alunos que pertencem ao grupo de flautas do Conservatório Regional do Algarve, que é um dos grupos de flautas mais antigos do país, vai comemorar 30 anos, todos os anos faz um concerto de aniversário e este ano o concerto dos 30 anos está inserido no festival”, adiantou Filipa Oliveira.

A diretora do festival precisou que a primeira atuação vai pôr em cena a soprano Junko Takayama, a meio-soprano Cristina Rosário e o organista João Janeiro, que também terá a seu cargo a direção das duas solistas, num programa “com obras muito conhecidas” de François Couperin, compositor francês que nasceu em 1668, em Paris, e morreu em 1733, também na capital francesa.

A 19 de maio, prosseguiu a diretora, realiza-se o concerto do 30.º aniversário do grupo de flautas do Conservatório do Algarve, com peças do “reportório renascentista”, a partir das 18:00, na igreja matriz de Estoi.

Filipa Oliveira destacou também a participação do agrupamento Harmonie Universelle, que vai tocar a Arte da Fuga, do compositor alemão Johann Sebastian Bach, num concerto marcado para 26 de maio, na igreja do Carmo, em Faro, “muito aguardado e que será com certeza memorável”, segundo a diretora do festival.

Filipa Oliveira explicou que o festival “é um herdeiro direto do ciclo de música barroca criado pelo professor Francisco Rosado”, seu antecessor como professora do Conservatório do Algarve, e visa manter esse trabalho de divulgação e pedagogia desde 2016.

A diretora do festival reconheceu que é “um desafio” promover este tipo de música que tem “pouca visibilidade nos meios de comunicação”, apesar de ser um estilo musical que “as pessoas gostam de ouvir” e pelo qual se “sentem de alguma forma atraídas”.

A “relação com as emoções e os seus contrastes” atraem as pessoas para a música antiga e o festival procura manter o trabalho de divulgação, as parcerias e as relações institucionais que tem vindo a estabelecer desde o começo.

A Câmara de Faro, a Diocese do Algarve e o Museu Regional de Faro são os principais apoiantes deste festival, que a diretora artística pretende, no futuro, expandir ao Barlavento algarvio e a outras cidades do país, como Beja ou Évora, através do envolvimento da Região de Turismo do Algarve e de outros parceiros que possam ajudar nessa missão.

Cartaz

Verifique também

Inauguração do restauro do órgão de tubos da igreja matriz de Portimão ocorre no Festival de Órgão do Algarve

Após restauro, que teve início em agosto deste ano, o órgão de tubos da igreja …