Pub

TorneiraA água em Lagos e Aljezur é “segura” e de “excelente qualidade”, mas em Monchique o serviço de abastecimento público de água é “insatisfatório”, segundo um relatório da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR).

A qualidade da água que jorra das torneiras no Algarve para consumo humano é de boa qualidade, com destaque para os concelhos de Aljezur e Lagos, que obtiveram um valor de “100%” na avaliação de água segura, revela o documento.

Na avaliação ao Algarve (com 16 concelhos) foi apurado que, em 2012, havia “excelente qualidade da água na torneira dos consumidores”. A avaliação de 2013 só será conhecida em meados deste ano.

O relatório indica, todavia, que em Monchique o serviço de abastecimento público de água é “insatisfatório”, porque há mais de 20% de alojamentos isolados.

A ERSAR salvaguarda, todavia, que o serviço de abastecimento público de água pode não ser “técnica ou economicamente viável” através da construção da rede pública, só se tornando possível com a “utilização de furos cuja água deve ser periodicamente controlada”.

O relatório da ERSAR conclui que o distrito de Faro apresenta, na sua maioria, uma boa acessibilidade física ao serviço de abastecimento público de água.

O Plano Estratégico de Abastecimento de Água e de Saneamento de Águas Residuais 2007-2013 (PEAASAR II) estabeleceu como meta para 2013 o valor de 99% para o indicador água segura (água controlada e de boa qualidade), bem como atingir uma frequência de amostragem de 100%, isto é, a realização de todas as análises regulamentares obrigatórias.

Relativamente à qualidade da água no ano de 2012 no distrito de Faro, constatou-se que a maioria dos concelhos já atingiu ou ultrapassou a meta PEAASAR de 99%.

A média nacional em Portugal Continental está ainda “abaixo da meta preconizada no PEAASAR” – 98,20% de água segura, em 2012 -, apesar de revelar uma boa qualidade da água na torneira dos consumidores.

A média nacional na acessibilidade física ao serviço de abastecimento público de água é de 95%.

No Algarve, abaixo da média nacional está a Fagar (Câmara de Faro) e a Câmara de Castro Marim, ambas com 82%, seguidas da Câmara de Vila do Bispo (85%), Câmara de Lagoa (88%), Câmara de São Brás de Alportel e Infraquinta (Loulé), ambas com 89%.

A Ambiolhão (Câmara de Olhão) e Câmara de Loulé também estão abaixo da média nacional com 93% na acessibilidade física ao serviço de abastecimento público de água, seguidos da Câmara de Lagos (94%).

A Câmara de Albufeira e de Portimão apresentam valores iguais ou superiores à média nacional, com 95% e 99%, respetivamente.

Pub