Pub

dosos manifestam-se em frente a Administração Regional de Saúde do Algarve, contra o encerramento das extensões de saúde de Azinhal e Odeleite

O Movimento de Cidadãos pela Defesa dos Serviços Públicos de Saúde do Algarve vai organizar um cordão humano no fim de semana, em frente aos hospitais do Barlavento (sábado) e de Faro (domingo).

O cordão humano pretende denunciar a ”degradação acelerada na região” do Serviço Nacional de Saúde (SNS), lê-se num comunicado ontem divulgado. “O SNS encontra-se em degradação acelerada na região, devido às políticas destrutivas impostas pela ´troika` e pelo governo PSD/CDS-PP, sentindo-se, particularmente, nos hospitais públicos de Faro, Portimão e Lagos e que compõem o atual Centro Hospitalar do Algarve (CHA)”, refere a nota de imprensa.

Segundo o movimento, o Hospital de Lagos encontra-se em “risco de encerrar ou de ser entregue à Misericórdia” e no Hospital de Portimão as “diversas escalas de serviço, como de Clínicos Gerais, Obstetrícia e Ortopedia, têm sido aprovadas com dois e três meses de atraso, além de ter faltado medicação necessária a doentes oncológicos”.

No sábado, o cordão humano realiza-se, a partir das 15:30, em frente ao Hospital do Barlavento, em Portimão, e no domingo vai acontecer uma “Marcha pela Nossa Saúde”, em caravana automóvel pela Estrada Nacional 125, unindo os hospitais de Portimão e de Faro. A concentração é em frente ao Hospital de Portimão, pelas 14:00, com partida, meia hora depois, para se associar ao cordão humano de Faro.

Pub