Pub
© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

O bispo do Algarve escreveu ontem uma nota pastoral (ver abaixo) na qual destaca que a promoção das vocações ao ministério ordenado (padres e diáconos) é a “prioridade pastoral” na vida da diocese, pedindo mesmo uma “cultura vocacional”, assumida como “unificadora de toda a ação” da Igreja algarvia.

No documento, escrito no âmbito da Semana dos Seminários, que se realiza a nível nacional de 9 a 16 do próximo mês sob o tema “Servidores da Alegria do Evangelho”, D. Manuel Quintas adverte que “o despertar e a promoção das vocações ao ministério ordenado e o acompanhamento e apoio dos «chamados» é tarefa de todo o povo de Deus”.

O prelado acrescenta que esta tarefa deve ser levada a cabo através do “empenho pessoal e comunitário”, assumido em cada uma das paróquias algarvias e que “ninguém deve dispensar-se deste compromisso”. “Ninguém deve delegar na equipa diocesana a parte da tarefa que lhe compete. Ninguém deve «distrair-se» ou secundarizar esta prioridade pastoral, fundamental e imprescindível na vida da nossa Igreja diocesana, que exige de todos um generoso empenho ao serviço de uma cultura vocacional, assumida como unificadora de toda a ação pastoral”, alerta.

Reforçando que “a mediação da proposta vocacional é tarefa de todos os membros da Igreja”, D. Manuel Quintas apela, particularmente, ao empenho de presbíteros e diáconos, catequistas e aos professores de Educação Moral e Religiosa Católica, responsáveis da pastoral juvenil e dos agrupamentos do Corpo Nacional de Escutas, bem como às famílias em geral, no apoio e promoção das iniciativas propostas pela pastoral vocacional diocesana.

Considerando que “o apelo vocacional deve partir da própria comunidade, consciente das suas necessidades”, D. Manuel Quintas lembra que as vocações são “dom do Pai” e “nascem e crescem através da mediação duma Igreja orante e amadurecida na fé, atenta aos sinais do Espírito e decidida em introduzir, com empenho e confiança, o anúncio vocacional na pastoral quotidiana”.

A terminar, o bispo diocesano recorda que o “tempo de oração e de compromisso pessoal e comunitário na promoção das vocações ao ministério ordenado” que amanhã se inicia com a realização do Lausperene, “é igualmente caraterizado por gestos significativos de solidariedade e partilha material” com o Seminário. “Vamos apoiar generosamente o nosso Seminário, para que a sua missão de formar os nossos futuros sacerdotes, não seja dificultada pela falta de meios”, pede, agradecendo a quantos contribuem para a formação dos seminaristas.

Nota Pastoral de D. Manuel Quintas: [wpdm_file id=7]

Pub