Pub

Os armadores e pescadores de Quarteira ameaçaram fazer greve uma semana antes das eleições autárquicas de 11 de Outubro caso o Instituto Portuário dos Transportes Marítimos (IPTM) e a Docapesca (entidade que gere e regula a primeira venda do pescado) não abrissem a nova lota, edifício para armazenar peixe estava fechado há sete meses.

A lota ainda não foi inaugurada devido a "um impasse" entre o IPTM e a Docapesca, com esta última a não querer receber o novo edifício sem determinadas obras realizadas pelo IPTM, explicou hoje à Lusa Hélder Martins, presidente da Associação dos Armadores Pescadores de Quarteira (Quarpesca), que congrega 150 associados.

Depois da ameaça de greve, o secretário de Estado das Pescas, responsáveis pelo IPTM e pela Docapesca reuniram e do encontro saiu o compromisso de abrir a nova lota em "Março ou Abril de 2010", adiantou Hélder Martins.

O edifício onde os armadores e pescadores armazenam actualmente o pescado está "velho" e "não tem condições de armazenamento do peixe" e a inauguração da nova lota é urgente, contudo Hélder Rita alertou o IPTM para a necessidade de criar uma cantina para os trabalhadores.

A terceira fase do programa de investimentos no porto de pesca de Quarteira prevê a criação de uma cantina, armazéns e escritórios para serviços administrativos do IPTM, mas tudo está adiado devido a falta de acordo entre aquela autoridade e os proprietários dos terrenos.

O peixe vendido em Quarteira é vendido para os mercados de Faro, Loulé e Albufeira, mas também de Lisboa e restaurantes da região.

No primeiro semestre deste ano foram vendidas em Quarteira 972 toneladas de peixe, indicou o presidente da Quarpesca.

Pub