Pub

D. Manuel Madureira Dias, que aproveita a questão para intitular a obra, dá o seu contributo e sugere que se busquem algumas das respostas esperadas no manancial catequético-pastoral gerado então pela assembleia magna da Igreja.

A partir da sua reflexão sobre a constituição Lumen Gentium (uma das quatro, saídas do Concílio Vaticano II), o prelado começa por suscitar no leitor o interesse pelas definições institucionais – Que é a Igreja? Que é que a Igreja faz? – para o motivar a olhar para si próprio e dirigir a pergunta para o seu âmago, como célula viva desse corpo eclesial a que pertence e a interpelar-se quanto ao desempenho do seu papel.

No livro, editado pelas Paulinas e que chegou às suas livrarias no passado dia 17 deste mês, D. Manuel Madureira Dias explica que, nas “ocupações diárias de bispo emérito quis aproveitar a oportunidade para refletir em alguns aspetos da doutrina do Vaticano II”. “Decidi fazer a publicação por dois motivos. Um: dar oportunidade a outros (os eventuais leitores) de poderem aproveitar desta partilha que, se ficasse apenas pelos meus papéis, a ninguém aproveitaria. Faço-o com simplicidade, consciente da pouca valia do meu contributo para a vivência do Ano da Fé. Outro: porque, celebrando, neste ano, o 25º aniversário da minha ordenação episcopal, me pareceu oportuno distribuir pelos membros do presbitério, a que presidi durante 16 anos, uma lembrança que possa ajudar a evocar o tempo em que, com eles, fui remando na mesma «barca» da Igreja, na evangelização das gentes algarvias”, escreve.

D. Manuel Madureira Dias esclarece, contudo, que “não houve a pretensão de fazer um trabalho de Eclesiologia, nem sequer existiu a preocupação de ser muito completo e profundo nos temas abordados”. “Trata-se de umas quantas reflexões pessoais que me ajudaram a reviver um dos documentos conciliares mais fundamentais, com muito proveito para mim mesmo”, complementa.

Ao Folha do Domingo, o bispo emérito explicou que a presente publicação, que pretende ainda assinalar as suas bodas de prata de ordenação episcopal celebradas no passado dia 20, deverá ser a primeira de um conjunto reflexivo sobre o Concílio. “Pelo menos à Gaudium et Spes, quereria chegar lá”, afirmou o prelado.

A publicação, com oito capítulos – Sou um mistério, Sou o «Povo de Deus», Sou uma comunidade ministerial, Sou um «corpo» de fiéis leigos, Sou um povo de «consagrados», Sou um povo de irmãos chamados à santidade, Sou uma comunhão de santos, Sou um projeto divino já realizado em Maria – tem 240 páginas e está à venda nas livrarias Paulinas pelo preço de 11 euros.

Samuel Mendonça

Pub