Pub

Os novos corpos sociais da Santa Casa da Misericórdia de Faro para o quadriénio de 2021/2024 tomaram hoje posse, na eucaristia presidida na Sé de Faro pelo bispo do Algarve.

O ato eleitoral realizado no passado dia 18 de dezembro, em Assembleia Geral Ordinária, resultou na reeleição do provedor José Ricardo Candeias Neto e dos efetivos Henrique Gomes, Celestino Cavaco André, Vera Cristina Sousa e Paulo Neves e dos suplentes Nélia Cristóvão Viegas, Carlos Gordinho Nascimento e José da Conceição Matinhos.

Para a Assembleia Geral foi eleito o padre Rui Barros como presidente e como efetivos Ana Cristina Bacalhau Coelho e José Vítor Silva. Como presidente do Conselho Fiscal foi eleito Fernando Santos, como efetivos Elvira Martins e José Manuel Lourenço e como suplentes Aurélio Santos e Orlando Rosa.

Após a eleição, seguiu-se a homologação dos corpos gerentes pelo bispo do Algarve.

Na celebração de hoje, D. Manuel Quintas juntou a intenção de “louvar o Senhor por todo o bem que se faz” naquelas instituições, um propósito extensivo a todas as IPSS do Algarve. “Louvar o Senhor por estes séculos todos de bem-fazer, particularmente nos dias de hoje e, particularmente, neste tempo que estamos a atravessar. Por isso, queremos alargar a nossa intenção a todas as instituições de solidariedade social da nossa Diocese do Algarve”, afirmou o bispo diocesano, lembrando serem muitos os órgãos sociais das Misericórdias “que estão a tomar posse nestes dias”.

“Vemos como todos aqueles que trabalham nestas instituições é gente que se dá, se dedica. Vejo quanta doação, quanto espírito de entrega, quanto desprendimento porque o bem torna urgente tudo e dá a medida certa ao serviço”, prosseguiu, “tendo presente o momento difícil” que atravessam aquelas instituições. “Neste momento difícil que atravessamos é importante que todos tenhamos consciência das dificuldades que atravessam estas instituições. Quanta generosidade há ali, quanto espírito de doação e de entrega, quanto bem que se faz, à semelhança de Cristo”, afirmou.

Na homilia, o bispo do Algarve afirmou ainda que “o serviço só se transforma em domínio quando é assumido como poder”. “Quando é assumido como serviço, facilmente nos predispomos mais para o partilhar e para fazer com que aqueles que estão à nossa volta assumam também o serviço. É importante sermos dóceis à ação do Espírito porque é ele que transforma o nosso agir em agir de serviço, à semelhança de Jesus”, disse.

Durante o rito de posse, D. Manuel Quintas afirmou que “as Obras de Misericórdia são um projeto de vida para todos os que se afirmam discípulos de Jesus, mas, para os que pertencem a uma Irmandade, assumem a dimensão de um compromisso de honra e de uma missão particular”. “Digo missão e não cargo ou ofício porque se trata de uma missão que Deus confia, através da Igreja, como seus membros”, acrescentou.

Na cerimónia de realização do compromisso e assinatura do auto de posse que se seguiu à eucaristia, D. Manuel Quintas manifestou aos empossados a sua colaboração. “Podeis contar comigo para cumprirdes, com fidelidade, as funções que vos foram confiadas”, afirmou.

O provedor reeleito prometeu “ser fiel e leal ao presidente da Assembleia Geral”. “Entrei nesta Misericórdia pela mão de um padre e pretendo sair da mesma forma”, afirmou Candeias Neto, que cumprirá o último mandato. Aquele responsável agradeceu aos empossados, aos membros da mesa anterior “que muito contribuíram para que a Misericórdia pudesse progredir” e a todos os trabalhadores. Candeias Neto lembrou que a Misericórdia de Faro conta com 230 trabalhadores, 165 utentes em três lares residenciais, para além do apoio domiciliário, refeitório social, balneários e da Escola D. Francisco Gomes do Avelar.

Pub