Pub

Foto © Samuel Mendonça
Foto © Samuel Mendonça

Realizou-se na terça-feira à noite a primeira reunião deste ano do núcleo de Portimão da associação “Leigos para o Desenvolvimento”, uma ONGD (Organização Não-Governamental para o Desenvolvimento) católica ligada aos jesuítas e vocacionada para missões de longa duração (de um ano ou mais).

A criação do núcleo algarvio da associação permite desde o ano passado aos candidatos ao voluntariado missionário, com a idade exigida (entre os 20 e os 40 anos), realizar a formação requerida por aquela organização sem terem de se deslocar a Lisboa.

A sessão de apresentação de terça-feira, realizada no Centro Social Paroquial de Nossa Senhora do Amparo, contou com duas candidatas e deu início ao plano de formação de 2015/2016 que se estenderá por nove meses, de novembro deste ano a setembro do próximo, dividido em quatro etapas.

A primeira etapa, intitulada de “Referenciação” e que decorrerá de novembro a meados de janeiro, incluirá cinco das 16 reuniões quinzenais à quarta-feira, sempre pelas 21h naquele centro paroquial, sendo que a próxima está agendada para o dia 25 deste mês, seguindo-se as restantes, já marcadas até ao início de janeiro, nos dias 9 e 16 de dezembro e 6 do mês seguinte.

Estas reuniões abordarão os temas “Desigualdades e Cidadania global”, “Desenvolvimento”, “Voluntariados e Doutrina Social da Igreja” e “ONGD cristã para o desenvolvimento – ideário/expetativas e receios”.

Na primeira etapa, em que terá início, a partir do mês de dezembro, o acompanhamento espiritual por um assistente que se prolongará quase até final da formação, será realizado o primeiro dos quatro encontros que têm lugar fora do Algarve em fins de semana em regime de internato e subordinados a temas específicos. De 8 a 10 de janeiro, o primeiro dos encontros temáticos será sobre o tema “A Missão”.

No início da segunda etapa, intitulada “Vida Cristã – Encontro com Deus” e que decorrerá de meados de janeiro a princípios de março, os candidatos realizam, em Lisboa, o Curso de Aprofundamento à Fé, um espaço a frequentar até ao final de janeiro, onde terão oportunidade para esclarecer questões e dúvidas. É nesta altura que se inicia o acompanhamento de um “padrinho” ou “madrinha” que se prolongará até ao final da formação. Nesta segunda etapa realizam também os primeiros Exercícios Espirituais (retiro em silêncio segundo o método criado por Santo Inácio de Loiola, fundador dos sacerdotes jesuítas) que serão de três dias com uma introdução à oração e à relação com Deus.

Esta segunda etapa será composta por mais três reuniões quinzenais em Portimão, sendo que, depois das duas primeiras sobre o tema “Oração – Relação com Deus” e de oração comunitária, os candidatos deverão também realizar, em meados de janeiro, o “Mini Campo de Trabalho”, um fim de semana de experiência de serviço aos outros e de vida em comunidade que, em princípio, será realizado fora do Algarve. Será a partir desta altura que os formandos deverão começar a promover atividades de angariação de fundos para a organização. A terceira e última reunião quinzenal desta etapa será um encontro de partilha sobre a experiência vivida e a sua conclusão acontecerá com o segundo encontro temático, de 11 a 13 de março, sobre o tema “Autoconhecimento/Relações humanas”.

A terceira etapa, intitulada “Vida comunitária” e que decorrerá do princípio de março ao princípio de maio, será composta por mais quatro reuniões quinzenais em torno do discernimento pessoal e da tomada de decisão comunitária e dos temas “A vida comunitária – Elementos de construção da comunidade” e “Pobreza, simplicidade de vida”, contando na última reunião com o testemunho de um missionário da associação. No final da etapa será realizado, de 13 a 15 de maio, o terceiro encontro temático sobre o tema “Como vivemos/Como nos relacionamos”.

A quarta etapa, intitulada “Projetos” e que decorrerá do princípio de maio a setembro, incluirá as últimas quatro reuniões quinzenais em Portimão, sendo que, após as duas primeiras sobre o tema “Missão e Serviço”, o modo de atuação e os projetos dos “Leigos para o Desenvolvimento”, os formandos realizarão os segundos Exercícios Espirituais, estes de sete dias, de 9 a 16 de junho, que procurarão proporcionar uma experiência aprofundada de oração e relação com Deus. É neste retiro que o formando deverá decidir se quer mesmo participar numa missão, decisão que depois deverá comunicar à organização, sendo que a deliberação da associação será apresentada alguns dias mais tarde. Por volta desta altura, os candidatos que não sejam crismados poderão (é opcional) ainda frequentar o Curso de Preparação para o Crisma.

A terceira reunião quinzenal desta etapa será de caráter prático, uma vez que proporcionará uma visita a terreno de missão, e a última servirá para a avaliação da formação. Entre as duas realizar-se-á, de 8 a 10 de julho, o quarto e último encontro temático sobre o tema “O que/onde/como fazemos – projetos”.

Os voluntários aceites para a missão farão depois uma Formação Específica para Projetos – experiência de aprofundada de vida em comunidade, de estudo e de conhecimento dos projetos concretos que serão desenvolvidos na missão, que decorrerá durante uma semana a agendar entre final de julho e meados de agosto – e a sua missa de envio será celebrada no dia 11 de setembro.

Na sessão de apresentação de terça-feira, que teve início com um convívio de São Martinho e terminou com um momento de oração, Edite Farinha, do núcleo de Portimão, explicou um dos objetivos da formação, cujo custo para os formandos, para além das despesas de deslocação e alojamento nas atividades, é o da inscrição no valor de 15 euros. “O percurso de formação pretende ser um tempo de paragem, um encontro connosco mesmos, com os outros e, sobretudo, com Deus”, afirmou.

Aquela responsável adiantou que a organização, que conta com 29 anos de existência, para além de estar presente em Portugal, tem atualmente duas missões em São Tomé e Príncipe, uma em Angola e outra em Moçambique.

Pub