Breves
Inicio | Sociedade | Obras no largo da igreja matriz de Portimão para reforçar “acessibilidade pedonal e identidade do centro histórico”

Obras no largo da igreja matriz de Portimão para reforçar “acessibilidade pedonal e identidade do centro histórico”

No âmbito da IV Semana da Reabilitação Urbana que decorreu entre os dias 11 e 13 deste mês abril em Portimão, foi dado a conhecer em primeira mão o projeto de reabilitação urbana do Largo da Igreja Matriz de Portimão, cuja área de intervenção situa-se no coração da ARU- Centro Histórico de Portimão e abrange a área de proteção de dois imoveis classificados: a igreja matriz e a muralha de Portimão.

“Este projeto vem, por um lado, reforçar a identidade do centro histórico e, por outro lado, eliminar um conjunto de barreiras físicas atualmente existentes que limitam a acessibilidade pedonal”, realça a Câmara de Portimão, aspetos que a autarquia considera “fundamentais para promover e qualificar a vivência do centro urbano”.

“Prevê-se no âmbito desta intervenção de reabilitação urbana a reorganização do estacionamento automóvel, que passará a ocupar zonas periféricas não adjacentes à igreja, que desta forma não conflituam com a apreciação do monumento, bem como a pedonalização da Rua Bispo Dom António Castelo Branco, cujo acesso automóvel fica condicionado a carga e descargas, veículos de emergência e entidades competentes”, acrescentou a edilidade em comunicado.

“Reconhecendo o valor histórico do património edificado existente, o projeto irá abordar o espaço público na ótica da criação de um espaço contínuo, fluído e unificador e minimalista, tanto a nível material como cromático, que passará pela opção de um pavimento único em pedra calcária, capaz de agregar todo o espaço num chão único e indivisível, apenas quebrado pela marcação do que se julga ser o traçado da muralha tardio-medieval de Vila Nova de Portimão, através da utilização de um pavimento diferenciado, trazendo à superfície a memória deste importante elemento do património classificado”, refere ainda o documento, acrescentando que “os pavimentos dos corredores de circulação pedonal e de toda a envolvente da igreja matriz serão substituídos por novos pavimentos, em paralelepípedos de calcário, que constituirão uma superfície mais regular e mais confortável”.

Serão também “eliminados os passeios, passando o perfil dos arruamentos a constituir dois planos únicos, com a drenagem pluvial a realizar-se para o centro da via enquanto que a circulação automóvel e pedonal passa a funcionar sob o princípio da coexistência que atribui prioridade ao peão”.

Prevê-se ainda a “requalificação das diversas infraestruturas existentes, rede de abastecimento de águas, esgotos domésticos, rede de águas pluviais, iluminação pública, abastecimento elétrico e telecomunicações, que se encontram obsoletas e frequentemente descontextualizadas do valor patrimonial do lugar”.

“Por se situar numa zona de elevada sensibilidade arqueológica, a intervenção terá uma forte componente a este nível, que se traduzirá na execução de escavações arqueológicas prévias – manuais ou mecânicas – nos locais de maior sensibilidade, e de acompanhamento arqueológico permanente de todas as frentes de obra”, explica a Câmara Municipal.

A obra será levada a cabo em parceria com as diferentes entidades que exploram as infraestruras presentes na área e tem um prazo de execução, previsto, de oito meses.

A execução da empreitada tem um custo estimado de 750.000 euros e aguarda aprovação por parte do Programa Operacional CRESC Algarve 2020, que irá financiar 65% deste valor.

Verifique também

Menos de um ano depois do início da operação já não há trotinetes no Algarve

Dez meses depois de terem sido anunciadas como uma mais valia para a promoção da …