Pub

Depois de a Câmara de Lagos ter criticado a intenção do executivo de passar a GNR de Lagos para o concelho vizinho de Vila do Bispo, devido às más condições do quartel local, que funciona há cerca de 100 anos num antigo convento, “Os Verdes” querem que o executivo diga se essa transferência trará mais custos para o erário público e se não vai afetar a segurança no concelho.

O partido deu ontem conta, num comunicado, da pergunta que entregou no Parlamento dirigida ao Ministério da Administração Interna (MAI), recordando que o executivo já respondeu a outras questões sobre o posto territorial de Lagos e “confirmou que as instalações atuais se encontram degradadas e desajustadas face às necessidades do serviço da GNR”.

“Os Verdes” referem ainda que o executivo confirmou também que a Câmara de Lagos “disponibilizou instalações e que o espaço tinha grande potencialidade” para acolher o posto territorial da GNR, mas “depois disse que está a ser analisada a possibilidade de transferir o destacamento de Lagos para o novo Posto Territorial de Vila do Bispo, que está praticamente terminado, foi sobredimensionado e teve um custo de 1,3 milhões de euros”.

“Com esta resposta só podemos ficar duplamente inquietos e estupefactos. Porque foi sobredimensionado o Posto Territorial de Vila do Bispo? Estão a ser bem aplicados os dinheiros públicos? Estas são duas perguntas que qualquer cidadão gostaria de ver respondidas de imediato”, questionou o partido no preâmbulo da pergunta entregue no parlamento.

Frisando a distância que há entre Vila do Bispo e algumas zonas do concelho de Lagos, o PEV frisou que não “se pode esquecer que o concelho de Lagos no seu interior tem uma população envelhecida, que no verão a população triplica, a área florestal é muito considerável e o afastamento policial destas zonas irá contribuir para aumentar o clima de insegurança e aumentar os fogos florestais”.

Por isso, o PEV quer que o MAI diga “por que nunca foram dadas respostas à Câmara Municipal de Lagos sobre os pedidos de audiências e questões levantadas” e “como pode garantir que com a passagem para Vila do Bispo do efetivo da GNR de Lagos não irá aumentar os custos com o policiamento e não irá aumentar a insegurança no concelho de Lagos”.

O presidente da Câmara de Lagos, Júlio Barroso, criticou no final de dezembro a intenção do Governo de transferir o posto territorial da GNR de Lagos para Vila do Bispo, que o autarca disse pôr em causa a segurança pública no concelho.

Em declarações à Lusa, Júlio Barroso (PS) lamentou que o MAI esteja “de costas voltadas para a Câmara” e não responda às questões apresentadas pela autarquia sobre a saída da GNR do atual posto territorial de Lagos.

Lusa

Pub