Pub

No próximo dia 13 deste mês realiza-se já o lançamento da primeira pedra da futura igreja paroquial de Almancil, com respetiva celebração de bênção. A futura sede da paróquia será construída no centro da vila, num terreno cedido pela Câmara Municipal de Loulé com mais de 3000 m2, próximo da escola EB1 e do Pingo Doce.

Dedicada a Nossa Senhora de Fátima, a igreja terá dois pisos, sendo que num ficará o espaço de culto propriamente dito e, no outro, um salão, salas e respetivos anexos de apoio.

Inserido na primeira fase do projeto do Complexo Paroquial de Almancil – que compreende primeiramente a construção da igreja e, numa segunda fase, a edificação do Centro Paroquial de Almancil –, o templo, cuja primeira pedra será agora lançada, é uma necessidade premente daquela comunidade paroquial. “Estamos a ter vida religiosa em Almancil a partir da Escola EB 2.3 Dr. António Santos Agostinho, onde funciona a catequese, ao sábado, com 250 crianças e onde é celebrada a missa”, lamenta o pároco à FOLHA DO DOMINGO, acrescentando que há reuniões que se fazem em casas particulares.

O cónego Gilberto Soares Santos observa que “Almancil tem traçado um caminho de grande desenvolvimento” e que, em consequência disso, esta “era uma necessidade sentida já há algum tempo”. Nesse sentido, destaca que, na paróquia, são celebradas sete missas dominicais no verão e cinco no inverno, muitas com grande participação de estrangeiros, e que a igreja de São Lourenço é já “muito pequena para receber as pessoas” e que “não tem já condições para receber os serviços da paróquia”.

O prior, que espera mais fácil a contribuição para com a obra quando esta começar a crescer, evidencia que o futuro complexo paroquial é um “sonho de algumas décadas” que parte “do zero”. “Quando cheguei à paróquia não encontrei nem terreno, nem projeto, nem dinheiro para a obra”, confessa, adiantando que a comunidade tem estado a angariar fundos para a mesma. No caso da igreja, só a construção deverá orçar em cerca de 2 milhões de euros, segundo aponta uma estimativa.

Embora deva ser construída essencialmente com recurso a fundos paroquiais, a futura igreja deverá contar com um apoio da Câmara de Loulé, oficializado através de um protocolo a assinar futuramente, mas que, segundo o prior, ficará “muito aquém do valor global da obra”.

O cónego Gilberto Soares Santos assegura que a obra, cuja construção deverá demorar um ano, arrancará brevemente e explica que a igreja de São Lourenço continuará ter culto, tal como aconteceu com a igreja de São João da Venda, antiga sede paroquial. “Permanecerá como um ponto de referência até porque é muito procurada pela sua beleza”, refere o prior.

A cerimónia de lançamento da primeira pedra tem então início pelas 19h, com uma celebração mariana seguida da bênção, ambas presididas pelo pároco.

Já o Centro Paroquial de Almancil será construído num terreno distinto mas próximo da futura igreja, e deverá começar a ser construído apenas depois do templo estar concluído.

As restantes duas construções serão fundamentalmente construídas com recurso a fundos particulares e poderão arrancar em simultâneo com a igreja de Almancil, explicou o pároco, garantindo que a creche e ATL, cujo anteprojeto está concluído, serão comparticipados por uma família estrangeira.

A igreja de Vale do Lobo, dedicada a Nossa Senhora da Piedade, popularmente conhecida como Mãe Soberana, irá localizar-se num extremo de Vale do Lobo 3, na avenida que liga a Quinta do Lago a Vale do Lobo, e terá também dois pisos, sendo um deles destinado ao espaço de culto e outro a um salão e salas com respetivos anexos.

A obra, cujo projeto de arquitetura está concluído, custará cerca de 1,6 milhões de euros e será comparticipada, em mais de 50%, por Vale do Lobo ao abrigo das contrapartidas (criação de infraestruturas para a comunidade e visitantes) que aquele aldeamento turístico teve de dar aquando do seu plano de desenvolvimento estabelecido com a Câmara de Loulé e outras entidades. Para além disso deverá contar ainda com uma colaboração do município.

Samuel Mendonça
Pub