Pub

O delegado da Diocese do Algarve para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) em Lisboa, em 2023, apelou à nomeação de um delegado em cada paróquia algarvia.

Durante a apresentação online do programa de atividades do Setor das Pastoral Juvenil da Diocese do Algarve para o presente ano pastoral de 2021/2022, no passado dia 24 de setembro, João Costa explicou aos animadores de jovens que o representante deverá ser designado pelos párocos em conjunto com eles para ser o “interlocutor na paróquia para todas as questões relacionadas com a JMJ”.

O delegado da Diocese do Algarve ao Comité Organizador Local (COL) da JMJ acrescentou ainda que o representante paroquial terá de ser obrigatoriamente um jovem com idade entre 16 e 30 anos e deverá ser indicado até ao dia 20 deste mês. “A função do delegado paroquial não substitui a função do animador. Não é um cargo, é uma missão”, realçou João Costa, responsável pelo Comité Organizador Diocesano (COD), desejando que a JMJ “seja uma realidade cada vez mais presente” nas paróquias.

Também o assistente do Setor Diocesano da Pastoral Juvenil se referiu à função de cada delegado paroquial, acrescentando que a mesma passa também por “formar um outro grupo, para além dos da catequese e dos de jovens”. “Este grupo pode surgir de jovens que se afastaram da paróquia, que não frequentam tanto”, exemplificou o padre Nelson Rodrigues.

Pub