Breves
Inicio | Economia | Passes sociais dos transportes no Algarve vão ter preço máximo 40 euros

Passes sociais dos transportes no Algarve vão ter preço máximo 40 euros

Os passes dos transportes públicos no Algarve vão ter preços entre os 14 euros e um máximo de 40 euros, representando uma redução superior a 80% no tarifário atualmente em vigor, anunciou hoje a Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL).

A decisão foi hoje aprovada na reunião desta entidade que representa os 16 municípios do Algarve e que funciona também como autoridade de transportes, prevendo-se que entre em vigor no dia 01 de maio.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Comunidade Intermunicipal, Jorge Botelho, disse que a redução dos passes dos transportes públicos, rodoviários e ferroviários na região algarvia, representa um investimento anual de mais de 600 mil euros para a AMAL, “verba que será entregue como compensação às concessionárias, como reforço do programa de apoio à redução tarifária”.

“É um passo importante para o reforço dos transportes públicos no Algarve e para a redução de veículos na via pública, contribuindo para uma melhoria da qualidade ambiental”, salientou.

Na opinião de Jorge Botelho, se houver mais pessoas a utilizarem os transportes públicos no Algarve, “será criada uma pressão positiva que, certamente, contribuirá para a melhoria dos transportes rodoviários e ferroviários da região”.

“Além de aumentar a procura e melhorar os transportes públicos, a região beneficia também com a redução do ruído”, destacou.

A associação está a desenvolver um projeto de mobilidade urbana sustentável, o ‘Vamus’, que “olha em conjunto para os transportes particulares e públicos com vista a que, a médio e longo prazos, as deslocações dentro e ou entre cidades algarvias sejam mais eficientes, mais inclusivas e mais amigas do ambiente”, adiantou o presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve.

A verba que vai ser entregue como compensação às concessionárias pela redução do preço dos passes em autocarros e comboios é suportada em 97,5% pelo Fundo Ambiental e em 2,5% pelas autarquias.

A AMAL recebe este ano cerca de 920 mil euros do Fundo Ambiental.

Verifique também

Hoteleiros algarvios preocupados com greve de motoristas mas confiantes nos serviços mínimos

A principal associação hoteleira do Algarve mostrou-se hoje “preocupada” com o impacto da greve de …