Breves
Inicio | Economia | PCP critica instalação de Ikea no concelho de Loulé e teme risco para economia local

PCP critica instalação de Ikea no concelho de Loulé e teme risco para economia local

O PCP afirmou que a abertura de grande área comercial no "segundo concelho do distrito (de Faro) com maior número de desempregados" pode provocar, de acordo com "um estudo da Universidade Católica de 2004, a destruição de quatro postos de trabalho no comércio local por cada um" que o grupo sueco vai gerar.

"Tendo também em conta que a área (planeada para a localização) está inserida na Reserva Ecológica Nacional (REN) e na Reserva Agrícola Nacional (RAN), é com grande preocupação quanto ao futuro dos trabalhadores e suas famílias, da economia local e regional, que constatamos a assinatura do protocolo entre a Câmara Municipal de Loulé (PSD) e o grupo sueco Ikea para a instalação de uma unidade comercial na zona dos Caliços-Esteval", alertou o partido.

O PCP contrapõe a esta opção "uma política integrada de desenvolvimento assente no apoio às actividades produtivas ligadas à agricultura, com dinamização dos produtos regionais, à pesca e que dinamize o comércio local, promova o emprego com direitos e apoie as Pequenas e Médias Empresas (PME)".

A criação de uma grande superfície na zona vai também, segundo o PCP, "destruir uma área que poderia ser aproveitada em termos agrícolas" e "levar ao encerramento de micro e pequenas empresas do sector", assim como ter consequências "em termos ambientais".

O Inter Ikea Centre Group, a Ikea Portugal e a Câmara de Loulé assinaram no início de Dezembro, na presença do secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, Fernando Serrasqueiro, um contrato de cooperação para realizar no concelho um projecto comercial, composto por uma loja, um centro comercial e um “retail park”, localizado no eixo Faro/Loulé, perto do Parque das Cidades, zona onde está o Estádio Algarve.

O investimento do grupo em Loulé ronda os 200 milhões de euros e vai criar cerca de três mil postos de trabalho directos e indirectos, segundo Kristina Johansson, a responsável pelo Ikea em Portugal, onde o grupo tem já três lojas: em Alfragide e Loures, na zona de Lisboa, e em Matosinhos, na área do Porto.

Folha do Domingo/Lusa

Verifique também

Utentes dos transportes públicos no Algarve aumentam 25% entre abril e junho

O número de utentes dos transportes públicos no Algarve aumentou 25 por cento entre abril …