Pub

Numa intervenção que teve muitos pontos de contacto com uma outra que já tinha realizado em Março do ano passado para formação de ministros de exéquias na ausência de sacerdote, o padre José Águas começou por esclarecer que a celebração exequial não é um sacramento, mas um sacramental e que, por isso, um fiel leigo (entenda-se não clérigo) pode presidir à sua celebração.

Entrando no núcleo da sua exposição defendeu que viver a esperança na morte “tem muito a ver com toda a comunidade”. O presbítero considerou mesmo que “temos que viver da esperança para não sermos como os que não a têm”.

Procurando justificar o motivo da esperança, o orador apontou que “a primeira razão da fé é a da paixão, morte e ressurreição do Senhor”. “É esta a certeza”, concretizou, lembrando o que os cristãos professam no credo: “creio na ressurreição da carne e na vida eterna”. “A vida não se acaba, apenas se transforma. Embora, a tristeza pela partida, nos comova, consola-nos a promessa da eternidade. A fé tem de estar presente e esta fé leva à esperança na vida eterna”, observou, lamentando: “para quem não tem esperança, é o fim”.

Neste sentido, explicou que “a morte cristã é efectivamente o mistério pascal”, sendo que a Páscoa é a “passagem da libertação para o deserto, do deserto para a terra prometida, da morte à vida, da paixão, morte e ressurreição de Cristo para a eternidade”. “A morte do cristão é a sua passagem para a felicidade eterna”, acrescentou, considerando ser “obrigação” dos cristãos “reavivar a fé no mistério pascal e na ressurreição”. “Temos obrigação de fazer levantar esta esperança porque nestes momentos as pessoas estão receptivas. Temos a obrigação de manifestar o amor materno para aqueles que estão em dor”, afirmou.

Considerando a morte um “momento sublime”, “tão natural como nascer”, criticou a sua desvalorização e desumanização nos dias de hoje. “Nós, cristãos, temos a obrigação de fazer alguma coisa para humanizar a morte”, disse, lembrando que “outrora, era um acto religioso fechar os olhos ao pai ou à mãe”. “Hoje é uma complicação tremenda a pessoa morrer em casa”, constatou, evidenciando que “a vela que se devia acender devia ser a do Baptismo”. “Ao lado do féretro devia estar o círio pascal”, mas “o prático sobrepõe-se ao simbólico”, criticou.

A terminar, lembrando que o momento da morte “é muito mais do que um momento de comunhão” e que “esta comunhão deve ser a comunidade a realizar”, defendeu a necessidade de “formar equipas para acompanhar as famílias, para rezar um pouco e falar da esperança e do encontro futuro com os entes queridos”.

Samuel Mendonça

Ouça a conferência:

"A proclamação da Esperança Cristã na Morte"

Pub