Pub

Após ter sido ordenado no último sábado (29 de junho), o padre Nuno Coelho celebrou ontem à tarde, na igreja paroquial de Lagoa, a sua “Missa Nova”, a primeira celebração solene presidida por um padre recém-ordenado, habitualmente na paróquia de origem.

Acolhido pela paróquia em festa, o novo sacerdote, de 36 anos, deixou claro que “responder ao chamamento de Cristo, identificar-se com Ele e aceitar dar-se por amor é nascer para a vida nova da liberdade”. O padre Nuno Coelho agradeceu a Deus o “dom da vida” e por o ter chamado. O novo sacerdote agradeceu ainda às equipas formadoras dos seminários de Faro e de Évora, ao padre Manuel Rodrigues que o acolheu como estagiário nas paróquias de Olhão e Quelfes e aos seminaristas que o acompanharam ao longo destes anos.

O novo presbítero deixou para o fim um agradecimento especial ao seu “prior”, o padre José Nunes, pároco de Lagoa. “Tem sido para mim um exemplo, um apoio e um pilar na minha caminhada. Sem ele, por vezes, tornar-se-ia mais difícil caminhar. É um exemplo que guardo da pessoa que é, do padre que é e do cristão que me faz ser. Obrigado, padre José Nunes”, afirmou o padre Nuno Coelho que deixou um pedido aos presentes. “Peço-vos que continueis a rezar por mim, para que consiga ser aquilo que Deus quer que eu seja”, apelou.

A eucaristia foi participada por muitas pessoas de vários pontos do Algarve e concelebrada por muitos sacerdotes da diocese, – incluindo o vigário-geral, o padre Firmino Ferro, em representação do bispo do Algarve –, e também de Évora. Participou ainda na eucaristia o diácono Jesus Ejocha também ordenado no último sábado.

O padre José Nunes regozijou-se com a ordenação de um novo sacerdote oriundo da paróquia de Lagoa, ao final de 70 anos. “Que não demore outros 70 anos para que haja outro. Espero, agora, que daqui a sete anos já tenham aparecido mais sete, pelo menos”, desejou.

O novo sacerdote algarvio irá continuar a trabalhar nas paróquias de Olhão e Quelfes.

Samuel Mendonça

Pub