Breves
Inicio | Igreja | Pe. Paulinus Anyabuoke adverte para crescimento do fundamentalismo religioso no seu país

Pe. Paulinus Anyabuoke adverte para crescimento do fundamentalismo religioso no seu país

O sacerdote, que se encontra desde outubro passado a colaborar nas paróquias algarvias de São Brás de Alportel e Santa Catarina da Fonte do Bispo, disse à Renascença que “o que o governo está a fazer não está a dar nenhum fruto” e que os ataques poderão vir a aumentar.

A propósito dos atentados no dia de Natal contra duas igrejas na Nigéria, que causaram 40 mortos, o padre nigeriano, da Congregação do Espírito Santo (espiritano), recorda que “não há segurança suficiente para acabar com este problema”, nem “força suficiente para acabar com o movimento” fundamentalista que os perpetrou.

O padre Paulinus Anyabuoke, de 34 anos, refere-se ao grupo radical islâmico Boko Haram que reivindicou o ataque, considerando que em causa está a “luta contra a civilização ocidental”. “O grupo radical Boko Haram é puramente islâmico e, ao lutar contra a civilização ocidental, lutam contra a Igreja e o povo cristão”, explica o missionário, considerando que os extremistas querem “acabar com educação ocidental” para impor o islamismo.

O sacerdote adverte que a Nigéria “não é um país religioso mas secular”, pese embora aquele grupo fundamentalista queira que a Nigéria seja um país religioso.

O padre Anyabuoke considera assim que este “é um problema de fundamentalismo religioso” que “está a aumentar” no norte do seu país natal. O sacerdote lembra que 90% dos habitantes do sul da Nigéria são cristãos, enquanto, no norte, a maioria são muçulmanos. “Se não houvesse encontro entre cristãos e muçulmanos no norte não haveria este conflito”, considera.

Explicando que o atual presidente da Nigéria é cristão, pese embora o país já tivesse tido outros presidentes muçulmanos, o sacerdote sustenta que estes acontecimentos têm “dimensão política e religiosa”. “É muito difícil desligar os conflitos religiosos dos conflitos políticos”, reconhece.

O sacerdote explica ainda que o Boko Haram é um “grupo muito novo”, possivelmente ligado à Al-Qaeda.

Samuel Mendonça

Verifique também

Bispo do Algarve desafiou cristãos a crescerem na “consciência social de atenção” aos pobres

No último domingo, em que a Igreja assinalou o III Dia Mundial dos Pobres, o …