Inicio | Economia | Pescadores de Olhão vendem carapau a dois cêntimos o quilo

Pescadores de Olhão vendem carapau a dois cêntimos o quilo

CarapausOs pescadores e mariscadores de Olhão pediram ontem às autoridades que estabeleçam preços mínimos de venda de pescado, após ter sido vendido carapau a preços reduzidos, que atingiram os dois cêntimos o quilo.

Na lota de Olhão, o carapau negrão foi vendido ontem a quatro cêntimos o quilo e o carapau branco a 38 cêntimos, na semana passada o quilo de carapau bateu nos “dois cêntimos”, disseram pescadores e a Cooperativa de Viveiristas.

“Eu tenho informação de um mestre de barco que apanha carapau, que um quilo de carapau negrão foi hoje [ontem] vendido a quatro cêntimos o quilo e o carapau branco a 38 cêntimos o quilo e na semana passada este pescado chegou a ser vendido a 20 cêntimos, a cinco cêntimos e, por incrível que pareça, a dois cêntimos”, afirmou à agência Lusa Manuel Augusto da Paz, da Cooperativa de Viveiristas da Ria Formosa, lamentando que por estes valores os homens do mar não ganham dinheiro “nem para o gasóleo”.

O mesmo carapau que foi comprado por dois cêntimos foi depois vendido no Mercado Municipal de Olhão a “um euro o quilo”, disse Augusto da Paz, referindo que, normalmente, costuma ser vendido a cinco euros o quilo.

Com estes preços “nem ganha dinheiro o pescador, nem ganha quem vende nesta altura, porque está muito barato”, lamentou o Manuel Augusto da Paz.

O preço baixo a que chegou o carapau está também a indignar António da Branca, pescador há várias décadas e um dos responsáveis da Olhão Pesca, Organização de Produtores de Pesca do Algarve.

António da Branca disse à Lusa que é necessário estabelecer um “preço mínimo para vender o peixe” e há “necessidade de sensibilizar os pescadores e vendedores” para que o pescado não chegue a valores tão baixos.

António da Branca espera que seja “já para o ano” definido o “modo de retirada” do peixe da lota e que seja definido um “preço mínimo para vender o peixe”, porque há muitos anos que existe “discrepância” entre os preços praticados pelos pescadores e pelos vendedores.

Por outro lado, segundo António da Branca, “é do conhecimento geral que a doca pesca de Olhão não reúne as condições (…) para se fazer daquilo uma lota verdadeiramente saudável”.

O pescador reiterou que existem problemas “muito sérios”, como a “autorização de toda a gente entrar na lota e o facto do local de descarga não ser vedado”.

António da Branca realçou ainda que os pescadores continuam a ser uma classe “desprotegida” que trabalha “24 horas sobre 24 horas”.

Verifique também

Mercados abastecedores de Braga, Évora e Faro doaram em 2018 quase 1500 toneladas de frescos a instituições

A Sociedade Instaladora de Mercados Abastecedores (SIMAB) anunciou ontem que doou, em 2018, quase duas …

Folha do Domingo

GRÁTIS
BAIXAR