Pub

Em entrevista à Agência Lusa, o presidente do ICNB, Tito Rosa, estima que se tudo correr como previsto "no início do verão terá o Plano de Ordenamento e Gestão do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e da Costa Vicentina (PO-PNSACV) pronto para entregar ao Governo".

A revisão do PO-PNSACV está em discussão pública até 30 de abril. Haverá depois cerca de dois meses para receber e avaliar as participações por escrito e, de seguida, é enviado para o Governo, explicou Tito Rosa.

O responsável disse que a decisão governamental "tanto pode ser rápida como levar algum tempo”.

O presidente do ICNB vai reunir até ao final deste mês com mais de 20 associações – ligadas à pesca, agricultura, pecuária, turismo, caça, hotelaria, mas também com produtores florestais, organizações não governamentais, escolas de surf ou associações de lazer e caravanismo – para discutir em detalhe a revisão do documento e estima que vão receber "muitas participações".

"Estamos interessados fazer uma discussão pública muito objetiva e em ter contributos positivos da população para ponderar sobre eles, levá-los em conta, e depois fazer a proposta ao Governo. Queremos ouvir várias associações e vamos discutir em detalhe", garante o presidente do ICNB, apelando ao contributo da população.

O Plano de Ordenamento abrange quatro concelhos – Sines, Odemira, Aljezur e Vila do Bispo – e está em discussão pública até ao fim do mês, podendo os interessados apresentar as observações e sugestões acerca da proposta de revisão por escrito nas quatro autarquias envolvidas ou no próprio parque e suas delegações.

O documento foi elaborado pela Hidroprojeto e é de novembro de 2008.

Todos os planos municipais e intermunicipais devem estar em conformidade com este plano, lê-se no documento.

O PO-PNSACV prevê muitas intervenções, nomeadamente nas arribas da Carrapateira (Aljezur), da ribeira de Aljezur, dunas de S. Torpes (Sines) e dunas de Aivados/Malhão (Odemira), lagoas temporárias de Vila do Bispo, reserva biogenética de Sagres ou na Vila Rosalinda (Aljezur).

Estão também previstas intervenções para valorização do património cultural na Ilha do Pessegueiro (Sines) e sítios de natureza histórica de Aljezur e Vila do Bispo.

A intervenção específica para valorização do património edificado vai ocorrer em Espartal, Vale da Telha (Aljezur) e Martinhal (Vila do Bispo), mas também na zona de povoamento disperso a Norte da Vila Nova de Milfontes (Odemira).

Lusa

Pub