Breves
Inicio | Sociedade | Plataforma de Apoio aos Refugiados desafiou dioceses do sul a acolher uma família em cada paróquia

Plataforma de Apoio aos Refugiados desafiou dioceses do sul a acolher uma família em cada paróquia

Foto © Samuel Mendonça

A Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR) desafiou as dioceses do sul do país a acolher uma família de refugiados em cada paróquia, indo assim ao encontro do repto lançado pelo papa Francisco em setembro de 2015.

O desafio foi feito na atualização do clero das dioceses do Algarve, Beja, Évora e Setúbal, que decorreu a semana passada no hotel Jupiter, em Portimão, por Mariana Barbosa que substituiu o anunciado coordenador daquela organização, Rui Marques, que não pôde comparecer.

“Provavelmente o «presente» que [o papa] gostaria de receber no dia da sua visita seria que o seu apelo para que cada instituição acolhesse uma família de refugiados tivesse sido ouvido e tivesse tido resposta positiva em Portugal”, afirmou aquela responsável da PAR ao abordar a dimensão intercultural na segunda de duas mesas redondas que procuraram apontar as “Áreas prioritárias na Ação Pastoral da Igreja”.

Lembrando que Francisco “deu o exemplo” ao trazer para o Vaticano três famílias, aquando da sua visita a um campo de refugiados em Lesbos (Grécia) em abril do ano passado, aquela responsável que foi voluntária no mesmo local e que testemunhou ao vivo a visita do pontífice, considerou que o papa “tem sido, para crentes e não crentes, uma inspiração na defesa do acolhimento dos refugiados”.

Mariana Barbosa adiantou que neste momento já são mais de uma centena as instituições – entre associações, paróquias, centros sociais, escolas e juntas de freguesia –, que estão a acolher refugiados, sendo que cada uma acolhe uma família, num total de cerca de 500 pessoas. “Gostaríamos, quando o papa cá viesse, de ter mais 100 famílias acolhidas entre nós através da Plataforma”, desafiou, acrescentando que “ao contrário da maior parte dos países da UE, Portugal é um país que quer acolher e ajudar os refugiados”. “Portugal, do ponto de vista da recolocação de refugiados, tem sido um exemplo e um dos países que mais tem feito por isso”, afirmou.

Foto © Samuel Mendonça

A oradora disse ainda que “neste momento há famílias refugiadas que estão na Grécia e que querem muito vir para Portugal”. “Não temos onde as acolher”, lamentou, acrescentando que na PAR “a prioridade é o acolhimento de crianças acompanhadas pelas suas famílias”. “Neste momento está a começar a existir uma resposta para crianças desacompanhadas”, complementou, sublinhando que o “programa de recolocação” de refugiados tem apoio financeiro da União Europeia (UE).

Num panfleto distribuído aos membros do clero presente naquela formação, a PAR informou que as instituições anfitriãs deverão contatá-la, através do seu sítio www.refugiados.pt ou dos telefones 217960848/967884731, para a indicação da oferta de acolhimento. Posteriormente segue-se a assinatura de um protocolo com a formalização do compromisso e a participação numa ação de formação/preparação.

Mariana Barbosa lamentou que a UE não esteja a ser “muito solidária” na “hora de acolher”. “As pessoas não têm maneiras legais de fugirem da guerra e de encontrar refúgio”, criticou, testemunhando que os “barcos de borracha” que chegam à Europa trazem mais de 50 pessoas, sendo que “cada pessoa paga para vir nestas condições – em que muitas acabam por morrer – cerca de 1.000, 2.000 ou 3.000 dólares”. “Experimentei abrir os coletes [de salvação] e verifica-se que são falsos”, contou, lamentando não haver uma conjuntura legal que permita às pessoas outras condições para fugir da guerra e encontrar refúgio na UE. “São estas as condições em que as pessoas são obrigadas a tentar sobreviver”, observou.

A oradora lamentou ainda o acordo estabelecido entre a UE e a Turquia em março do ano passado para controlo da rota dos Balcãs que prevê o retorno ao território dos refugiados e migrantes irregulares. “Estive na Grécia antes do fechar das fronteiras e antes da implementação do acordo e regressei depois para implementar a missão da PAR. Quando as fronteiras estavam abertas as pessoas chegavam mal, mas aquilo que eu via era um brilho de esperança nos seus olhos porque sentiam que havia o sonho de chegar a um país de acolhimento”, testemunhou.

“Aquilo que se passa neste momento é que estão mais de 60 mil pessoas retidas na Grécia. Temos pessoas que chegaram em meados de março [de 2016] e estão desde essa altura a viver na UE em campos de refugiados sob condições muito más. Infelizmente há pessoas que já morreram de frio, o que é algo que não devia sequer ser concebível”, denunciou.

Mariana Barbosa explicou que o trabalho da PAR nestas condições “é uma ajuda de emergência”, desenvolvida, sobretudo, ao nível do apoio emocional. “Procuramos melhorar um bocadinho a vida destas pessoas nos campos. A nossa ajuda lá é vista como algo de muito bom. Mais do que a ajuda nos campos – porque é uma ajuda remediativa –, aquilo que queremos é dar soluções às pessoas. O que, verdadeiramente, queremos é retirar as pessoas dos campos e do frio e recebê-las”, destacou.

Foto © Samuel Mendonça

Aproveitando a presença do selecionador nacional de futebol Fernando Santos apresentou ainda um vídeo de agradecimento de jovens refugiados num campo da Grécia ao Cristiano Ronaldo pelo apoio que o futebolista português lhes manifestou.

A atualização do clero das dioceses do sul, que se realizou de 16 a 19 deste mês, tendo como tema “Levar Cristo às periferias humanas e existenciais: os novos areópagos”, contou com cerca de 120 participantes, incluindo, para além dos bispos das quatro dioceses, o bispo emérito da Diocese de Singüenza-Guadalajara (Espanha), D. José Sánchez González, que também esteve presente.

Verifique também

Polícia Marítima recupera embarcações furtadas em Olhão

Duas embarcações de recreio que tinham sido furtadas na semana passada, na zona portuária em …