Pub

Foto © Luís Forra/Lusa

A Praia de Faro vai ter um novo parque de campismo, previsto para 2020, no lugar do antigo espaço que foi encerrado em 2003 e é atualmente ocupado por residentes, revelou hoje o presidente da Câmara de Faro.

“Finalmente, vamos ter um parque de campismo na verdadeira aceção da palavra. Terá um regulamento e, nesse regulamento, a rotatividade será uma peça fundamental, como é em qualquer parque de campismo do país”, disse Rogério Bacalhau aos jornalistas.

O projeto está incluído na proposta de revisão orçamental que acomodou cerca de 4,3 milhões de euros provenientes do saldo de gerência de 2017, hoje aprovada em reunião de câmara com os votos a favor da maioria (PSD/CDS-PP/PPM/MPT) e a abstenção do PS.

O concurso da obra, pré-orçamentada em 450 mil euros, será lançado dentro de dois meses, devendo a intervenção no terreno avançar após o verão de 2019 e estar concluída no início do ano seguinte.

O espaço, que funcionava até 2003 como parque de campismo, é atualmente gerido por uma associação de utentes e apenas ocupado pelos seus sócios, no âmbito de um contrato de comodato que será denunciado pela autarquia.

“Neste momento, não é um parque de campismo. Já existiu lá, mas em 2003 perdeu essa função. No futuro, será um parque de campismo público, gerido pela autarquia, com um regulamento igual a todos os outros”, garantiu Rogério Bacalhau em conferência de imprensa.

O autarca lembrou que se trata de “um equipamento desejado por todos os farenses há muitos anos” e que será “importantíssimo” para a economia local.
Aproveitando as estruturas de apoio já existentes, a obra contempla a criação de 200 lotes para tendas (116 tendas pequenas e 84 grandes) e 24 lotes para autocaravanas.

A proposta do executivo para acomodar a verba resultante do último saldo de gerência prevê um “investimento considerável” para a melhoria do espaço público e da rede viária, no âmbito da quarta edição do programa de intervenções ‘Faro Requalifica’, e para o reforço das verbas para o associativismo (600 mil euros) e juntas de freguesia (420 mil euros), que ficarão encarregues da manutenção de jardins.

A requalificação de estradas no concelho e a construção de duas novas rotundas, em pontos cruciais da cidade que hoje são cruzamentos semaforizados, vão implicar um investimento superior a dois milhões de euros, estando previsto igualmente o lançamento do projeto da terceira circular da cidade.

Em relação ao planeamento da cidade, Rogério Bacalhau adiantou que estão a ser preparados vários planos para “reconciliar os farenses” com o litoral do casco urbano.

O autarca farense destacou que, nesta área, estão a ser projetadas a edificação de um passadiço entre o largo de São Francisco e a doca de recreio a sul da linha de caminho de ferro – com passagens aéreas e subterrâneas entre os dois lados – e requalificação da ligação entre o atual parque ribeirinho e a doca.

“Toda esta zona precisa de uma intervenção para lhe dar coerência, conforto e atratividade. Mas são obras que não se fazem de hoje para amanhã, levarão tempo”, realçou Rogério Bacalhau.

Pub