Breves
Inicio | Igreja | Prémio de Jornalismo Dom Manuel Falcão distingue reportagem sobre a festa da Mãe Soberana

Prémio de Jornalismo Dom Manuel Falcão distingue reportagem sobre a festa da Mãe Soberana

Mae_soberana_2019-111
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

A vencedora do Prémio de Jornalismo Dom Manuel Falcão disse à Agência Ecclesia que é “uma honra e um orgulho” receber o galardão que distingue a reportagem “É como se a Mãe descesse à Terra”, emitida na TVI.

“É uma honra e um orgulho imenso que eu sinto por esta distinção tão nobre”, afirmou Catarina Canelas, acrescentando que o trabalho de que é autora “foi muito especial”.

“A Mãe soberana é uma história muito envolvente, nas emoções, nos afetos, vai ao mais intimo de cada um”, referiu a jornalista.

O Prémio de Jornalismo Dom Manuel Falcão é uma iniciativa da Igreja Católica em Portugal, através do Secretariado Nacional das Comunicações Sociais em parceria com o Grupo Renascença Multimédia, e distingue, em cada ano, um trabalho jornalístico de temática religiosa.

Para Catarina Canelas, a temática religiosa “está muito viva” em Portugal, mesmo que “não se fale tanto da Igreja”, e “não há que ter pudor no jornalismo de causas”.

“Este tipo de trabalhos vem provar que há jornalismo de causas e não há que ter pudor no jornalismo de causas. E esta é uma causa tão nobre ou mais nobre que todas as outras, porque estamos a falar de um sentimento de cada pessoa, neste caso a fé e a religião”, sublinhou.

A jornalista da TVI considera que a existências de prémios como o que é atribuído pelo Secretariado Nacional das Comunicações Sociais é “muito importante” porque são uma possibilidade de “dar visibilidade” a trabalhos como o que realizou na Mãe Soberana, na Diocese do Algarve.

“Os órgãos de comunicação social portugueses têm de dar visibilidade a esta temática como dão a outras temáticas e a outras causas”, acrescentou.

Catarina Canelas referiu ainda que foi “muito desafiante” realizar a reportagem, que fez com que acompanhasse as tradições religiosas de Nossa Senhora da Piedade, a “Mãe Soberana”, em Loulé, durante três semanas, porque “não é fácil traduzir a fé de uma cidade, de uma região, de cada pessoa”.

“Fiquei extremamente comovida, sobretudo por ver uma comunidade tão jovem ligada à Igreja. Não estava a contar com essa envolvência tão grande das camadas mais jovens”, afirmou.

Catarina Canelas disse que o trabalho teve muito impacto “a nível nacional” porque traduz “a fé de um povo” e fez com que “as pessoas ficassem comovidas e se sentissem inspiradas”.

“O carinho de devoção que existe por Nossa Senhora da Piedade é transversal a toda a cidade, porque envolve a Igreja, a Câmara, a banda, os homens do andor, o clube de futebol, mas é transversal ao Algarve e a todo o Portugal, porque interfere com as nossas raízes, a nossa cultura, a fé de cada um de nós, tenha ela a dimensão que tiver”, afirmou.

A jornalista da TVI considera que a reportagem que realizou no Algarve foi uma prova de que “as demonstrações de fé não são raras”.

“O sentimento a fé que estas pessoas têm em Deus, neste caso em Nossa Senhora, é algo que está ali muito explícito, muito vincado, muito firme e isso prova que não é só em Loulé, mas por este país fora e daí esta reação muito apoteótica em relação à reportagem”, sublinhou.

A edição 2018 do Prémio de Jornalismo Dom Manuel Falcão, relativa a trabalhos jornalísticos emitidos ou publicados durante esse ano, distingue a reportagem “É como se a Mãe descesse à Terra” da jornalista Catarina Canelas, com imagem João Franco, Tiago Donato e Rodrigo Cortegiano e edição de imagem de João Pedro Ferreira.

A entrega do Prémio de Jornalismo Dom Manuel Falcão vai decorrer na sessão de apresentação da Mensagem do Papa para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, no dia 30 de maio, no auditório do Grupo Renascença Multimédia, em Lisboa.

Ecclesia

Verifique também

Tavira participou em festa na “missa nova” do padre António Moitinho de Almeida

As paróquias de Tavira reuniram-se ontem, em festa, para celebrar a recente ordenação do padre …