Pub

A colaboração de Manuel da Luz, natural e residente naquela freguesia do concelho de Portimão, é mesmo anterior à vinda do padre Manuel Leitão Marques para a paróquia, já lá vão 32 anos.

O autarca frequentou a catequese paroquial de Alvor e manteve sempre a ligação à comunidade. “Como gosto de música, sempre colaborei com a animação litúrgica”, explica com naturalidade à FOLHA DO DOMINGO, reconhecendo ter uma “relação afetiva com a paróquia e com as pessoas”. “É uma colaboração efetiva e afetiva”, acrescenta o presidente da Câmara que diz desempenhar aquela tarefa “por uma questão de convicção” e de “serviço à comunidade” porque “a celebração fica mais animada e mais viva e mobiliza mais as pessoas”.

Manuel da Luz, que chegou a ser seminarista no Seminário de Faro na década de 50, durante cinco anos, e no Seminário dos Olivais, em Lisboa, considera mesmo ser “fácil” conciliar as solicitações da presidência da Câmara de Portimão com as funções de organista e responsável do coro da paróquia de Alvor. “Até ajuda”, testemunha o autarca, justificando que a motivação prende-se com o facto de acreditar que a “Eucaristia faz parte da vivência cristã”.

O pároco de Alvor destaca a colaboração assídua do presidente da Câmara na orientação dos ensaios e do coro, assim como a da sua mulher que também é salmista e membro do coro paroquial, e considera a mesma “um testemunho”. “Mostra que é um cristão consciente”, regozija-se o padre Leitão Marques, destacando que o autarca “continuou a ser, como presidente da Câmara, o que era antes, como professor”.

Samuel Mendonça
Pub