Pub

“Foi comovente observar a forma extraordinária como as populações se levantaram na limpeza das suas terras, em auxílio dos seus vizinhos, apoiando os que mais foram afetados. Assim se vê a alma de um povo”, escreveu ontem Aníbal Cavaco Silva na sua página na rede social Facebook, a propósito do temporal que na semana passada atingiu os concelhos de Silves e Lagoa.

Para o Presidente, “em tempos difíceis, os portugueses demonstram uma admirável capacidade de se auxiliarem uns aos outros, de olharem para quem mais precisa, de darem o seu melhor sem nada pedirem em troca”, numa atitude “natural e espontânea, quase instintiva”.

“Portugal vive tempos de incerteza, mas connosco temos um valor inigualável: a coesão nacional e o espírito de entreajuda do nosso povo”, escreveu Cavaco Silva, dizendo que todos aqueles que ajudaram nas tarefas de limpeza em Silves e Lagoa nos dias que se seguiram ao temporal “deram uma emocionante lição de portugalidade solidária” ao país.

“Saibamos seguir este exemplo de civismo espontâneo. Ninguém deverá ser esquecido, ninguém deverá ficar para trás. Se nos mantivermos juntos e determinados, venceremos as adversidades que temos diante de nós”, acrescentou.

O temporal que na sexta-feira atingiu Lagoa e Silves provocou 13 feridos, três deles graves, e 12 desalojados. Cerca de uma centena de habitações, telhados, automóveis e autocaravanas foram danificados pela força do vento.

Em Silves, o temporal causou danos avultados nas piscinas municipais, que estão inutilizadas, no edifício da câmara e do mercado municipal e também no Estádio do Silves Futebol Clube, cujo muro e bancadas desabaram.

No concelho de Lagoa, o mau tempo provocou sobretudo estragos na zona nova da cidade, uma área maioritariamente residencial, tendo destruído a fachada de entre 70 a 80 apartamentos, segundo a câmara.

Lusa
Pub