Pub

Foto © Samuel Mendonça
Foto © Samuel Mendonça

O Presidente da República de Cabo Verde veio no passado domingo ao Algarve para se encontrar com a comunidade cabo-verdiana.

Foto © Samuel Mendonça
Foto © Samuel Mendonça

A vinda de Jorge Carlos Fonseca ocorreu no contexto da deslocação a Portugal para participar, a convite do homólogo português Marcelo Rebelo de Sousa, numa homenagem oficial ao ex-presidente Ramalho Eanes que se realizou na passada segunda-feira.

Foto © Samuel Mendonça
Foto © Samuel Mendonça

No domingo de manhã, o Chefe de Estado de Cabo Verde foi recebido com a sua comitiva presidencial no Cine-Teatro Louletano pelas autoridades locais e regionais, entre as quais o presidente da Região de Turismo do Algarve, Desidério Silva, e os presidentes das Câmaras de Loulé, Vítor Aleixo, e de Lagos, Joaquina Matos, onde existem as duas maiores comunidades algarvias de cabo-verdianos.

Foto © Samuel Mendonça
Jorge Carlos Fonseca, Presidente da República de Cabo Verde – Foto © Samuel Mendonça

Falando aos seus compatriotas que vieram de todo o Algarve para o receber, Jorge Carlos Fonseca destacou a “diversidade” e a “pluralidade” do povo cabo-verdiano. “A maior riqueza que Cabo Verde tem – país pequeno, mas com uma alma gigantesca – é a sua cultura e a sua identidade”, afirmou.

Foto © Samuel Mendonça
Foto © Samuel Mendonça

O presidente disse que deve “ouvir, dialogar, saber e conhecer para poder, com outras autoridades cabo-verdianas, procurar melhorar e resolver os problemas” dos seus concidadãos. Jorge Carlos Fonseca lembrou que o Presidente da República tem “grande poder”, mas o maior “é dialogar com a sociedade”.

Foto © Samuel Mendonça
Foto © Samuel Mendonça

Apontando os principais desafios do seu país em matéria de economia, de insegurança, de emprego, de política fiscal, de disciplina e de educação e enumerando também os progressos do seu país feitos desde a década de 70 do século passado, o Chefe de Estado, em final de mandato, disse não querer terminar o mesmo sem vir ao Algarve. Jorge Carlos Fonseca pediu às entidades algarvias que apoiem ainda mais os imigrantes do seu país. “O que lhes peço é que façam um bocadinho mais e ajudem a resolver os problemas que a nossa comunidade tem do ponto de vista da integração social. Espero que a minha presença contribua um pouco para que essa relação esteja, cada vez mais, sólida”, afirmou, lembrando que Portugal e Cabo Verde são “dois países muito amigos” em que a “cooperação é fácil”.

Foto © Samuel Mendonça
Foto © Samuel Mendonça

Por fim, desafiou os cabo-verdianos a “sonharem chegar o mais alto possível com trabalho, força e ambição”.

Foto © Samuel Mendonça
Foto © Samuel Mendonça

A embaixadora de Cabo Verde em Portugal disse que a “comunidade trabalhadora cabo-verdiana no Algarve, historicamente ligada à construção civil, conheceu nos últimos anos uma evolução grande devido à própria evolução da região do Algarve, agora muito presente no turismo, nos hotéis, restaurantes e atividades à volta do turismo, mas também muitos estudantes”. “A comunidade de estudantes cresceu muito”, adiantou Madalena Neves, que informou estar em cima da mesa a “proposta de se reanalisar a localização” do consulado honorário de Cabo Verde no Algarve em Portimão.

Foto © Samuel Mendonça
Foto © Samuel Mendonça

Aquela diplomata destacou ainda as celebrações anuais do dia 1 de maio como um “momento alto da celebração da comunidade que mantém viva a cultura cabo-verdiana” com o “engajamento do vigário geral [da Diocese do Algarve], um amigo que põe todo seu empenho quer no atendimento à comunidade, quer na atenção que dedica a essa festa”.

Foto © Samuel Mendonça
Foto © Samuel Mendonça

O vigário geral da Diocese do Algarve, que assiste também há muitos anos a comunidade cabo-verdiana no Algarve, testemunhou o contentamento dos imigrantes com a visita do seu presidente. “Quando os cabo-verdianos souberam da vinda do seu chefe de estado não calcula a alegria que perpassou por toda a gente, o que significa que os cabo-verdianos precisam muito destes gestos”, afirmou o cónego Carlos César Chantre.

Foto © Samuel Mendonça
Cónego Carlos César Chantre, vigário geral da Diocese do Algarve – Foto © Samuel Mendonça

O presidente da Câmara de Loulé destacou que Loulé, há mais de 40 anos, “acolheu e se habituou a viver e trabalhar com cidadãos oriundos de Cabo Verde”. “A comunidade cabo-verdiana vem tendo um papel relevante na construção e formação de uma região turística de excelência mundialmente reconhecida. Os imigrantes cabo-verdianos fossem eles simples pedreiros, jardineiros, empregados de limpeza e de restauração ou até médicos e professores, de maneira discreta, e em muitos casos, sem consciência da real importância do seu trabalho, tantas vezes mal remunerado, conquistaram por direito próprio um lugar visivelmente honroso no seio da nossa comunidade”, afirmou Vítor Aleixo.

Foto © Samuel Mendonça
Foto © Samuel Mendonça

A sessão de boas-vindas, que contou também com a presença da cônsul geral de Cabo Verde em Portugal, Edna Marta Monteiro, incluiu a forte sonoridade do típico funaná com a atuação de Lígia Pereira, do grupo de batuque “Boa Esperança”, de Benvindo Barros e de Dino d’ Santiago e prosseguiu com uma tertúlia com os cabo-verdianos a questionarem o presidente sobre problemas com que se confrontam diariamente.

Foto © Samuel Mendonça
Foto © Samuel Mendonça

Jorge Carlos Fonseca seguiu depois para o Centro Paroquial de Loulé, tendo sido recebido pelo pároco, padre Carlos de Aquino, onde almoçou com a comunidade cabo-verdiana.

Foto © Samuel Mendonça
Foto © Samuel Mendonça
Pub