Pub

A cidade de Lagoa vai ser, entre sexta feira e sábado, palco daquele que é considerado o primeiro festival em Portugal destinado a homossexuais, bissexuais e transgéneros. O evento decorre no recinto da Feira de Agricultura, Comércio, Indústria, Artesanato e Turismo (FATACIL), um dos certames generalistas mais importantes a sul do Tejo.

O evento "Allove" não foi, todavia, aceite para integrar a lista do programa "Allgarve", adiantou à Lusa o vice-presidente da autarquia de Lagoa, Rui Correia, que acredita que aquele festival vai trazer "mais valias para o concelho numa fase de época baixa", porque o tipo de público é "um bom cliente".

Em declarações à Lusa, o presidente do Turismo do Algarve, Nuno Aires, recordou que o pedido foi feito pela organização do "Allove", mas "pelas caracteríticas do evento, o coordenador e os responsáveis pelo Allgarve não consideraram que o perfil se ajustasse" àquele programa, que é "muito específico e integra autarquias e normalmente resorts turísticos", explicou.

No entanto, o Turismo do Algarve patrocina o evento com "apoio publicitário", estando presente no evento com a marca Algarve, acrescentou Nuno Aires.

Nuno Aires defende que o Festival "Allove" trará um "importante novo nicho de mercado para a região, que por tradição é cosmopolita" e acredita que o perfil dos clientes que chegam ao Algarve através do "Allove" trará mais valias, por incluir pessoas que "normalmente têm poder de compra, usam a hotelaria e deixam riqueza na região".

"Encham os vossos corações de ‘love’, libertem-se de preconceitos e preparem-se para participar no maior evento LGBT (lésbico, gay, bissexual e transexual) de Portugal". É este o mote do Festival "Allove", que tem como atrações especiais um "Gayódromo", um jardim do amor "Afrodite", uma "Gayola" para celebrar casamentos simbólicos, um pavilhão de artes e muita música.

Sérgio Delgado, Campus e Marux, Mae, Rita Zukt e Mariana Couto são alguns dos DJ’s que vão animar as noites, numa pista com capacidade para cinco mil pessoas, lê-se no sítio da internet do "Allove".

A organização informa que vai também existir um "Gayódromo" que é uma espécie de parque de diversões que será um "hino à alegria" onde haverá "surpresas" e "adrenalina" e um espaço denominado de "Gayola", onde simbolicamente se podem celebrar casamentos.

Um palco, 15 bares e restaurantes, consultas de sexologia e astrologia, sex-shops e espaços com vestuário fashion street são outras propostas daquele festival.

O recinto do "Allove" abre às 18:00 de sexta feira e só fechas às 06:00. No sábado, o horário repete-se.

Os ingressos para o "Allove" custam 15 euros por dia, mas os interessados podem optar pelos dois dias por 25 euros ou 35 euros e terem acesso à tenda VIP e bar aberto.

Segundo o seu site, o programa Allgarve, que este ano conta com um orçamento a rondar os quatro milhões de euros, visa diversificar a oferta de lazer criando um novo conceito de turismo de verão com diferentes motivos de atracção, responder às expetativas dos turistas mais exigentes e com maior poder de compra e gerar notoriedade e atrair maiores fluxos turísticos a médio/longo prazo para o Algarve.

Lusa

Pub