Pub

Os projetos aprovados em 2010, cujo balanço anual foi feito pelo presidente da CCDR Algarve, João Faria, num seminário para apresentar os resultados, corresponderam a "um volume de investimento elegível superior a 185 milhões de euros e um apoio financeiro na ordem dos 68 milhões de euros".

João Faria, que também preside à Comissão Diretiva do PO Algarve 21, precisou que, "em termos qualitativos, a distribuição do investimento aprovado concentra-se predominantemente no Eixo 1, nas tipologias de apoio direto às empresas – Sistemas de Incentivos – que representam 32 por cento do total das aprovações do programa".

"Nos Eixos 2 e 3 destacam-se as tipologias Rede Escolar (16 por cento), Parcerias para a Regeneração Urbana (10) e Acções de Valorização do Litoral (8)", acrescentou, sublinhando que "os concelhos com maior volume de aprovações foram Portimão (22,3 por cento), seguido de Vila do Bispo (17,2) e Faro (15,9)".

Alguns dos projetos que podem ser vistos na exposição que a CCDR inaugurou na sua sede, em Faro, prendem-se com a regeneração ou requalificação dos centros urbanos de Loulé, Tavira e Olhão.

O presidente da câmara de Olhão, Francisco Leal, explicou que a intervenção no centro da cidade é "muito importante para a zona histórica" e "tem a ver com a recuperação de cinco largos e a criação do Caminho das Lendas".

Este projeto, segundo o autarca, visa "criar condições para que sejam visitáveis e divulgar em cada um deles uma lenda associada à história de Olhão, fazendo com que os visitantes as conheçam".

"Está ainda prevista uma intervenção na área da dinamização dos mercados", afirmou, frisando a importância destas obras apoiadas pelo Quadro de Referencia Estratégia Nacional (QREN) através do PO Algarve21, num investimento total de dois milhões de euros, apoiado em cerca de 50 por cento.

A CCDR disse ainda que estiveram abertos no ano de 2010 20 concursos e foram aprovados 125 projetos, com um investimento elegível de 131 milhões de euros e uma comparticipação FEDER de 42,1 Milhões de Euros.

"O Algarve terminou 2010 com uma execução de cerca de 13 por relativamente à dotação programada para o PO Algarve 21 (2007-2013). Este volume de execução ronda os 53 milhões de Euros ao qual corresponde uma comparticipação de fundos comunitários (FEDER) de 22 Milhões de Euros", precisou, dizendo ainda que "os pagamentos efetuados aos executores atingiram no final do ano a 19 milhões de euros".

Lusa

Pub