Pub
Jornadas_accao_social_2015 (7).JPG
© Samuel Mendonça

As XIV Jornadas de Ação Sociocaritativa da Igreja algarvia, que se realizaram no Centro Pastoral e Social de Ferragudo, contaram no passado sábado com a apresentação de dois projetos nacionais por dois técnicos da Cáritas Diocesana de Évora.

Jornadas_accao_social_2015 (8).JPG
© Samuel Mendonça

Joaquim Oliveira apresentou o “+ Próximo”, um projeto desenvolvido pela Cáritas Portuguesa em 2011, que promove a criação e animação de grupos paroquiais de ação social com recurso à estruturação de um modelo nacional para a intervenção social de proximidade da Igreja, reforçando a formação das pessoas, das comunidades e instituições católicas locais no desenvolvimento espiritual e social, de forma sustentada e duradoura.

A aposta incide, sobretudo, na construção de um modelo de formação, baseado num sistema descentralizado (por diocese, com recurso a formadores locais), utilizando materiais de base que vão sendo criados por módulos.

Com vista à implementação do projeto no Algarve, uma das três dioceses nacionais (juntamente com o Porto e Viana do Castelo) que ainda não aderiram a esta iniciativa, Joaquim Oliveira desafiou à constituição de uma equipa formadora.

Tendo em vista “aprofundar a ação social da Igreja”, aquele responsável explicou que o projeto “ajuda à construção de projetos de vida das pessoas, tendo como principal objetivo a sua autonomia” e também “sensibilizar e envolver os cristãos para a importância da pastoral social”.

Jornadas_accao_social_2015 (9).JPG
© Samuel Mendonça

Jorge Rodrigues apresentou o projeto “Dar e Receber”, uma plataforma nacional online promovida pela Cáritas Portuguesa em parceria com a Entreajuda, uma Instituição Particular de Solidariedade Social que apoia outras instituições sociais.

O portal online, ao qual já aderiram as dioceses de Beja, Bragança e Guarda, pretende ser um ponto de encontro entre que tem bens (não alimentares) ou equipamentos para doar (particulares, instituições ou empresas) e quem tem necessidade deles (particulares ou instituições), sendo que o anonimato de quem recebe e de quem doa é obrigatório.

Pub