Pub

Em declarações à Lusa, a presidente da Sociedade Polis Ria Formosa, Valentina Calixto, disse que há neste momento 10 casas na Ilha da Fuzeta em risco iminente de destruição pelo mar e que esse facto pode registar-se com as próximas marés vivas, previstas para a próxima segunda-feira, segundo previsões meteorológicas.

A destruição das casas através de um fenómeno natural apenas veio antecipar a demolição programada pelo Polis Ria Formosa, um projeto de 87 milhões de euros que prevê uma intervenção em 48 quilómetros de frente costeira.

A destruição das casas pelo mar por antecipação ao polis não significa, no entanto, um trabalho mais facilitado e económico para as autoridades responsáveis pela renaturalização das ilhas da Ria Formosa, observou Sebastião Teixeira, geólogo da Administração Hidrográfica Regional do Algarve.

A operação de remoção do lixo e o seu carregamento para terra ficou, todavia, mais dificultada, porque o lixo está mais disperso pela praia e pela Ria Formosa, explicou.

Sebastião Teixeira acrescenta ainda que os destroços das casas podem aumentar o perigo para os pescadores e mariscadores durante a faina, nomeadamente à noite, altura em que a observação de obstáculos é mais difícil.

Contudo, a Polícia Marítima indicou que os destroços que flutuam serão madeiras de pequeno porte e que não apresentam um "verdadeiro risco para a navegação", acrescentou.

Valentina Calixto disse que neste momento está um processo a correr de preparação para um concurso público de remoção dos destroços e das ruínas, cujo objetivo é retirar todo o lixo da praia e Ria Formosa até à Páscoa.

As casas destruídas na Fuzeta este inverno são fruto de um fenómeno natural registado numa frente costeira de cerca de 100 metros, onde o mar rasgou a duna e em consequência galgou para a Ria Formosa, um sistema lagunar natural.

"A ilha da Fuzeta já estava muito frágil e acabou por ceder. Neste momento a duna desapareceu e nessa frente de 100 metros já só há praia", explicou o geólogo Sebastião Teixeira.

Desde dezembro de 2009, e até hoje, o mar já destruiu, total ou parcialmente, 29 casas na Ilha da Fuzeta.

"Depois da tempestade vem a bonança" e se neste momento o mar está a rasgar e a romper, assim que a tempestade terminar vai repor", afirmou Sebastião Teixeira.

Lusa

Pub