Pub

Na sequência de uma reunião realizada na passada sexta feira, a Comissão Política Distrital do partido “decidiu emitir um forte protesto contra as mais recentes decisões do actual Governo que penalizam de forma inaceitável a população do município de S. Brás de Alportel”, solidarizando-se com o líder da secção do PSD local, Fabiano Rodrigues.

“O PSD/Algarve tem consciência de que são necessários cortes radicais na despesa pública mas, se afetam serviços essenciais para a população como o Ensino e a Saúde, em áreas do interior, dever-se-ia ter cuidados acrescidos”, considerou a comissão política distrital.

O partido recorda que o município da serra algarvia está a 18 quilómetros de Faro, 12 de Loulé e 22 quilómetros de Tavira e, desde 25 de maio, “o Centro de Saúde passou a contar apenas com Serviço de Consultas”.

“A pergunta é: até quando? Sabe-se que esta unidade de internamento era apenas para pessoas idosas e utentes em fase terminal, mas a verdade é que, nesses últimos e penosos dias da sua existência, poderiam estar mais perto dos seus familiares, o que deixará de acontecer”, acrescentou o PSD.

O PSD/Algarve contesta também a medida do governo de fechar escolas primárias que tenham até 21 alunos, dando o exemplo de São Brás de Alportel onde “será encerrada mais uma: a dos Almargens” e “em 2006 já tinham sido encerradas três, num universo de nove escolas, fazendo com que os alunos de localidades tenham que percorrer cerca de 25 km diários para poderem frequentar o ensino”.

“Este momento, com o encerramento de mais uma escola, questiona-se até se as escolas existentes na vila de S. Brás de Alportel têm condições para poder receber mais estes 18 alunos, pois necessitam de obras de melhoramento urgentes. Será que não irão precisar também de ampliação? Quanto poderá custar? É assim que o Governo tenta reduzir despesas?”, questionou a comissão política liderada por Mendes Bota.

Lusa

Pub