Pub

AlgemadaA PSP anunciou ontem a detenção por burlas a idosos de uma mulher, que se fazia passar por funcionária da ação social da Câmara de Vila Real de Santo António para ganhar a confiança das vítimas.

A detida tem 41 anos e terá estado envolvida, segundo a PSP, em “diversas burlas” realizadas entre os dias 16 e 30 de março e que tiveram por alvo pessoas “com idades compreendidas entre os 66 e os 89 anos e com bastante dificuldade de locomoção”.

“A suspeita, na abordagem às vítimas, apresentava-se sempre como funcionária da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, identificando-se com um cartão da ação social. Conseguiu apoderar-se de vários artigos em ouro, como fios e anéis, e de cartões multibanco com códigos, referindo que estes seriam para ativar um novo cartão da ação social” municipal, explicou o Comando Distrital de Faro num comunicado.

Após se apoderar dos cartões bancários e dos respetivos códigos, a mulher “rapidamente efetuava levantamentos em diversos caixas” automáticos, acrescentou a força de segurança.

A PSP estava a investigar o caso e, na terça-feira, recebeu informação de que a suspeita estava a entrar na cidade de Vila Real de Santo António e pôs no terreno uma vigilância, que permitiu ver a mulher fazer várias abordagens a possíveis vítimas que “resultaram infrutíferas”, até uma ter sucesso.

A PSP precisou que a detida conseguiu então “burlar uma senhora idosa” e “obter 140 euros”, com o argumento de que o dinheiro era “para retirar uma pessoa que estava a ser autuada e não a deixavam sair”.

A suspeita deixou a seguir a casa da alegada vítima e, já na rua, “despiu a camisola e retirou a bandolete” para “escapar a uma possível identificação” pela roupa, e dirigiu-se para a sua residência, que foi depois alvo de uma busca, acrescentou o Comando de Faro.

Os elementos policiais intercetaram a mulher, confirmaram que tinha os 140 euros guardados na mala e apreenderam um cartão multibanco e o cartão identificativo da ação social usado para se aproximar das vítimas, que ajudaram a polícia em “diversos reconhecimentos positivos” da suspeita, ainda segundo a PSP.

A busca domiciliária foi realizada com apoio da GNR, uma vez que a residência estava numa zona sob sua jurisdição no concelho de Vila Real de Santo António, disse à Lusa fonte do Comando Territorial de Faro, frisando que a investigação estava a cargo da PSP e que os militares da guarda estiveram no terreno a dar apoio na diligência.

A mulher foi ontem presente a tribunal para aplicação de eventuais medidas de coação, referiu o Comando de Faro da PSP.

Pub