Breves
Inicio | Economia | Redução da quota de lagostim pode ter consequências na economia algarvia – associação

Redução da quota de lagostim pode ter consequências na economia algarvia – associação

Os pescadores portugueses vão poder pescar em 2011 uma quota 15 por cento maior de pescada e 4 por cento maior de bacalhau, mas a de lagostim diminuiu em 10 por cento, segundo o acordo alcançado em Bruxelas.

Cerca de 80 por cento da frota nacional de arrasto de crustáceos concentra-se no Algarve pelo que será nesta região que as consequências da redução da quota podem ser mais evidentes, diz António Cabral, da Associação dos Armadores de Pescas Industriais

Em declarações à agência Lusa, António Cabral, defende não existirem razões de natureza biológica, científica ou de exploração de recursos para a redução da quota do lagostim, cujos stocks não estão aparentemente em vias de esgotar.

“A frota portuguesa de arrasto de marisco está mais vocacionada para a captura de gamba e camarão do que propriamente de lagostim, que apesar de ser um crustáceo muito valorizado tem menos procura”, diz.

Segundo aquele responsável, o problema que se coloca é que, em anos em que se verifique uma falha nos “stocks” das espécies mais procuradas, os pescadores vão voltar-se para o lagostim e aí a redução da quota pode ter consequências mais graves.

“A grande preocupação é se as espécies tradicionais sofrerem uma quebra”, diz, sublinhando que, quando isso acontece, normalmente de forma inexplicável, há uma corrida à captura do lagostim, espécie alternativa às tradicionais.

António Cabral defende ainda que as unidades funcionais de lagostim na costa portuguesa estão “em melhor estado” do que na costa espanhola e que a espécie não existe atualmente sobre explorada.

Por seu turno, Carlos Silva, da Associação de Armadores do Barlavento, cuja principal actividade é a captura de espécies como a pescada e o tamboril, diz que apesar do aumento das quotas, os pescadores vão continuar a ser penalizados.

“Houve um aumento da quota mas uma diminuição do número de dias, o que não se justifica”, diz, sugerindo que a redução tem a ver com a pressão de “lobbies que existem no setor das pescas”.

Lusa

Verifique também

Mais de 20 mil pessoas esperadas na 38.ª Concentração de Motos de Faro

Mais de 20 mil pessoas são esperadas entre hoje e domingo na 38.ª Concentração Internacional …