Pub

“Não faz sentido as pessoas consumirem água engarrafada, quando têm aqui uma de qualidade superior a outras do País”, afiança Artur Ribeiro, administrador da empresa Águas do Algarve, que abastece praticamente toda a região desde 2005.

João Camacho, delegado de saúde adjunto do Algarve, corrobora. “O Algarve tem uma água de muito boa qualidade e não é preciso as pessoas andarem a gastar o seu dinheiro a comprar água engarrafada”, com preços que atingem, no supermercado, as 500 vezes do custo da água da torneira.

Ainda assim, de acordo com o último estudo conhecido, divulgado pelo Instituto Regulador de Águas e Resíduos (IRAR) em 2008, o Algarve e o Alentejo são as regiões portuguesas com maior consumo de água em garrafa, com 31,3% dos algarvios inquiridos a revelar que bebem sempre dessa água, valor só batido pelo Alentejo, com 32,5%.

Um hábito alicerçado em costumes antigos, de há mais de 17 anos, quando a água da torneira algarvia tinha muito má qualidade, afirma o delegado de Saúde adjunto da região, recordando que naquele tempo a água de consumo corrente era de captação subterrânea e não de barragem, como hoje.

“Os cafés eram salgados, precisavam de dois pacotes de açúcar”, recorda Artur Ribeiro.

“Antes de 1995 a água provinha toda dos lençóis freáticos, com a captação feita em furos, e trazia muita salinidade do mar”, lembra João Camacho, que aduz a presença de nitritos e nitratos utilizados na produção de adubos, considerados potencialmente cancerígenos.

A mais conhecida característica da água algarvia de então era a sua dureza, devida ao calcário, que além de avariar máquinas de lavar roupa, esquentadores e cafeteiras, tornava o Algarve uma região “campeã” na deteção e extração de pedras no rim, recorda o clínico João Camacho, 57 anos.

Hoje, as águas algarvias provêm todas de quatro barragens – sistemas Odeleite/Beliche a sotavento e Odelouca/Funcho a barlavento –, são pouco alcalinas e contêm muito pouco calcário, sendo mineralizadas, no caso do sotavento algarvio, quando chegam à estação de tratamento.

“Se não fizéssemos a remineralização, como as águas têm pouco calcário, a passagem nas canalizações mais antigas, que são de ferro, iria provocar a dissolução do calcário, o que seria agressivo para essas ferragens”, assevera Nuno Martins, responsável técnico da Estação de Tratamento de Água (ETA) de Tavira, uma das quatro da região.

O técnico sublinha que a remineralização não chega a tornar a água dura, criando-se “um ponto de equilíbrio de forma a não incrustar ou depositar calcário nos equipamentos e tubagens e, por outro lado, não atacar as tubagens, levando-lhes o calcário”.

Mesmo assim, afiança que os produtos anti-calcário se tornaram dispensáveis nos equipamentos domésticos algarvios. Além da remineralização, toda a água que chega às ETA – 65 mil milhões de litros em 2011 – passa ainda por vários tratamentos, entre os quais a adição de ozono e uma filtração com areia.

Sobre a qualidade intrínseca da água, o responsável observa que nas quatro ETA da região – além das maiores, Tavira e Alcantarilha, também em Fontainhas e Beliche – se faz um controlo “em todas as etapas do tratamento, em tempo real, 24 horas por dia”.

Segundo o administrador Artur Ribeiro, o número de análises feito pela empresa em todo o sistema é, todos os anos, muito superior às 8.000 exigidas por lei, atingindo as 125 mil análises e 14 mil amostras.

O delegado de Saúde adjunto observa, por seu turno, que a água das torneiras algarvias “tem um excelente historial de análises”, com base nas 130 recolhas feitas trimestralmente pelas autoridades de Saúde.

“Temos um historial de 98 a 99% de análises com qualidade ótima”, precisa, reafirmando que, “com uma qualidade destas, não vale a pena beber água ao preço da gasolina”.

Lusa

Pub