Pub

A iniciativa ocorre este ano por ocasião da celebração dos 800 anos da fuga de Santa Clara, em memória da sua decisão de abraçar, com a mesma radicalidade, a forma de vida evangélica de São Francisco, e realiza-se a convite das irmãs clarissas.

A peregrinação teve início no passado dia 12 de fevereiro e termina no dia 29 de julho deste ano, sendo que o ícone e a relíquia marcarão presença ainda num acampamento da JUFRA Ofs, de 2 a 5 de agosto, em Ferreira do Zêzere, e no Encontro Plenário da JUFRA Ffp, de 4 e 5 de agosto, em Lisboa.

Amanhã, os dois elementos chegarão, por volta das 14h, à igreja de São Francisco, em Faro, trazidos de Lisboa por um membro do grupo algarvio da JUFRA Ffp, ‘Sóis de Bênção’, e serão entronizados na celebração eucarística das 18.30h. O ícone e a relíquia permanecerão naquela igreja para veneração até à próxima terça-feira, 6 de março, dia em que irão até ao Carmelo do Patacão para serem acolhidos pela comunidade das Carmelitas Descalças, regressando depois à igreja franciscana.

No sábado, dia 10 de março, realizar-se-á uma vigília de oração na igreja de São Francisco, pelas 21.15h, com testemunho, por videoconferência, de uma irmã clarissa do convento de Montalvo (Santarém).

Clara, que nasceu em 1194, em Assis, e faleceu em 1253, foi a fundadora do ramo feminino da Ordem Franciscana, através da Ordem das Clarissas. Dotada de uma grande capacidade de comunicação, foi responsável pela continuidade do ideal franciscano, principalmente após a morte de Francisco, em 1226, e foi canonizada, em 1255, pelo Papa Alexandre IV.

Samuel Mendonça
Pub