Inicio | Sociedade | Retirada de calçada portuguesa em bairros históricos gera críticas em Olhão

Retirada de calçada portuguesa em bairros históricos gera críticas em Olhão

Retirada_calcada_portuguesa_olhaoMoradores de Olhão estão indignados com a retirada de calçada portuguesa nos bairros históricos da Barreta e do Levante, ao abrigo de uma intervenção da câmara, que acusam de ofensa ao património.

As obras abrangem os largos João da Carma, do Gaibeu, da Fábrica e do Carolas e a praça Patrão Joaquim Lopes, onde grande parte da calçada está a ser substituída por lajes para diferenciar o piso dos locais que vão integrar a rota das lendas, disse à Lusa o presidente da autarquia, António Pina.

Fernando Cabrita é um dos moradores que discordam da intervenção, que classifica como “uma ofensa ao património”, afirmando não compreender por que razão se decidiu substituir a calçada por outro material que não apresenta qualquer mais-valia e que se vai degradar, tal como acontece com a calçada, se não for devidamente tratado.

“Não havia razão nenhuma razão para retirar a calçada, é um capricho”, resume o advogado, lamentando a sua substituição por lajes, que são “apátridas”, por existirem em “todo o lado”, e se degradam facilmente, como aconteceu, por exemplo, junto ao auditório municipal e ao parque de estacionamento do Levante, onde há poucos anos foram colocadas lajes.

António Pina nega que a operação esteja a retirar identidade à cidade, sublinhando que apenas em 10% da área daqueles dois bairros foi retirada calçada e que a ideia é associar cada largo a uma lenda de Olhão, tal como a lenda da Floripes e do Menino dos Olhos Grandes.

“Trata-se de um projeto em que o arquiteto entendeu provocar esta diferença, através da diferenciação do piso, para que quem chegue lá perceba o que ali há de novo”, argumentou o autarca (PS), acrescentando que originalmente o piso daqueles dois bairros era de terra batida.

Fernando Cabrita defende, por seu turno, que se a ideia era diferenciar aquele caminho, poderiam ter sido usadas as próprias pedras de calçada para criar letras ou inscrições no piso, que indicassem a rota, já que essa é uma das “virtudes” da calçada portuguesa.

“Ter o chão diferenciado não serve de nada, as coisas distinguem-se com sinalética”, observa, sublinhando que é mais fácil repor pedras de calçada do que lajes e que esta é permeável, permitindo o escoamento de água, ao contrário das lajes.

Opinião semelhante tem António João Bento, que vive no concelho de Olhão e é um acérrimo defensor da calçada portuguesa, piso que escolheu para os jardins e parte do interior da sua casa.

O pugilista sugere que havia hipóteses mais baratas para criar uma rota de ligação entre os largos, como, por exemplo, a colocação de pedras de calçada em forma de setas, a indicar o caminho.

“Em vez de preservarem o que é nosso, inventam e vão copiar coisas a outros países”, lamenta o pugilista, conhecido como Bento Algarvio, opinando que a operação deve ter como base um negócio, para “servir os interesses de alguém”.

Já Manuel Batista, apesar de não gostar da parte estética da intervenção, por considerar que a combinação das lajes com a calçada está “mal feita”, admite que alguns largos foram valorizados, pois estavam degradados.

Contudo, considera que o material usado devia “identificar-se mais com a cultura portuguesa” e não ser uma cópia do pavimento que existe noutros locais e que não tem nada de português.

António Pina recusa que o trabalho esteja mal feito, explicando que os remates entre a calçada e as lajes são propositados e fazem parte da visão do arquiteto que criou o projeto.

A intervenção, executada ao abrigo de apoios comunitários, deverá estar terminada em julho, concluiu.

Verifique também

Colisão na EN124 fez ontem dois feridos graves e um ligeiro em Silves

Uma colisão entre dois veículos ligeiros na Estrada Nacional 124, em Silves, no Algarve, provocou …