Pub

“Quando o OE for aprovado terão a oportunidade de ver qual a execução que se vai fazer no ano que vem”, disse Rui Pereira, escusando-se igualmente a comentar a rutura nas negociações entre o PSD e o Governo sobre o orçamento.

O ministro falava aos jornalistas à margem da inauguração das obras de remodelação do quartel da GNR em Silves, que custaram 500 mil euros e se arrastaram durante cerca de três anos.

Afirmando que o Ministério da Administração Interna (MAI) está “apostado” na redução de despesas, tal como acontece noutros ministérios, Rui Pereira lembrou que as missões de soberania “não podem ser interrompidas”.

“O direito à segurança não é suspenso”, sublinhou o governante, acrescentando que o caminho a tomar passa por “otimizar recursos, estabelecer prioridades e responder aos desafios essenciais”.

Rui Pereira inaugurou hoje no Algarve a nova esquadra da PSP de Lagos, um posto policial de atendimento a turistas na mesma cidade e o quartel remodelado onde está instalado o comando do destacamento e o posto territorial da GNR em Silves.

As obras representam no seu conjunto um investimento de mais de dois milhões de euros, concluiu o ministro.

O posto da GNR de Silves tem um efetivo de 56 militares, número que na nova esquadra da PSP em Lagos se eleva para 65 agentes, embora esteja preparada para 120.

Segundo a proposta de Orçamento do Estado para 2011, a despesa consolidada do Ministério da Administração Interna sofre no próximo ano uma redução de 8,7 por cento, espelhando uma racionalização de custos de funcionamento e um abrandamento do investimento.

A estimativa de execução de 2010 ascendia a 1994 milhões de euros, sendo a despesa consolidada prevista para o próximo ano de 1820,5 milhões, havendo reduções significativas nos encargos com a saúde (menos 48 por cento), no financiamento comunitário (menos 42,2) e nas pensões de reserva (menos 29,2).

Lusa

Pub