Pub

Segundo a paróquia de Albufeira, foi uma semana “muito rica” em que a capela da Sagrada Família, em Montechoro, se tornou pequena para acolher as pessoas que, no decorrer desta semana, foram participando e colaborando nas celebrações. “Desta semana podemos dizer que os membros da comunidade que se encontravam dispersos e onde muitos se consideravam estranhos e com receio de se incluírem, foram abraçados e acolhidos”, refere a comunidade, sublinhando não só o acolhimento realizado não só através das celebrações diárias, mas também através das visitas realizadas às escolas EB 2.3 Dr. Francisco Cabrita e às escolas do primeiro ciclo pertencentes a este agrupamento de escolas, que não tendo no seu currículo escolar a disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC), manifestaram vontade e uma necessidade em que esta passe também a ser lecionada no primeiro ciclo.

“Também os encontros bíblicos realizados nas casas de muitos paroquianos, que não se importaram de abrir as suas casas e receber a comunidade, serviram para trazer para o seio da nossa igreja aqueles que andavam dispersos”, relata a paróquia.

Estas dinamizações projetaram-se ainda de forma a dar uma visibilidade exterior. Assim a comunidade realizou, no dia 12 de março, à noite, um terço missionário que se caracterizou pela saída de cinco grupos, representando os cinco continentes, de cinco pontos estratégicos desta parte nova da cidade. Este terço missionário culminou numa chegada conjunta à capela da Sagrada Família, onde se fez uma apresentação de cada continente e se rezou para que as suas necessidades fossem atendidas.

Por fim, e para concluir a Semana Bíblica, no dia 20 de março, durante a tarde, realizou-se um cortejo bíblico, partindo dos Paços do Concelho em direção, mais uma vez, à capela da Sagrada Família. Ali deu-se lugar à apresentação de todos os livros que compõem a Bíblia, bem como dos seus personagens mais importantes e representativos, e realizou-se uma celebração de encerramento desta semana riquíssima.

“Uma semana que nos deixará saudades, mas também ferramentas para colocarmos em ação e melhorarmos o nosso desempenho nesta comunidade, sempre orientados pelo nosso pároco, o cónego Rosa Simão, que tornou possível esta Semana Bíblica, bem como de todas as pessoas que colaboraram diretamente com ele para que tal acontecesse. Retiramos desta semana uma grande energia que queremos que perdure em nós, comunidade, e nas nossas ações, formas de ser e estar como cristão”, testemunharam os participantes.

Mónica Cavaco
Pub