Pub
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O Seminário de São José de Faro é uma das entidades que colabora na exposição “50 Livros, 50 Algarve”, promovida conjuntamente pelo Centro Europe Direct Algarve (CIED Algarve), com sede na Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve, e pela Direção Regional de Cultura do Algarve.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

A iniciativa, levada a cabo no âmbito do Ano Europeu do Património Cultural, congrega mais de uma dezena de entidades do Algarve para comemorar a riqueza e diversidade do património a nível europeu, nacional, regional e local.

A exposição apresenta obras escritas – incluindo algumas primeiras edições – sobre o Algarve nas diferentes vertentes do património e está patente ao público durante este mês em simultâneo no Seminário de Faro, na CCDR Algarve, na Biblioteca da Universidade do Algarve – Gambelas e nas Bibliotecas Municipais de Faro, Lagoa, São Brás de Alportel e Vila Real de Santo António.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O reitor do Seminário do Diocese do Algarve lembra que a biblioteca da instituição “contém um conjunto de livros que é interessante conhecer” e contou ao Folha do Domingo que, por isso, colabora na mostra bibliográfica com “cerca de 50 obras” agrupadas em três grandes áreas: o “Algarve religioso”, o “Algarve dos escritores e poetas” e o “Algarve turístico”.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O padre António de Freitas explicou que a primeira área aborda entre outros aspetos a história eclesiástica do bispado algarvio, com uma incidência particular sobre D. Francisco Gomes do Avelar, e também algumas das principais procissões diocesana.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O sacerdote acrescentou que a segunda secção se dedica à obra dos poetas e escritores que escreveram sobre o Algarve e terceira congrega, por exemplo, guias turísticos editados em várias línguas por algarvios ou entidades algarvias, mas também por estrangeiros que passaram pela região e “se deixaram apaixonar por este Algarve”. “Nos anos 30 já havia inclusivamente guias turísticos, do património, de visita das igrejas, das procissões”, observa, evidenciando que no início do século XX já se apontava “o desenvolvimento do Algarve a nível de uma aposta turística”.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O reitor refere ainda que a participação da instituição nesta iniciativa enquadra-se na vontade de “abrir o Seminário à cidade, à sociedade e à diocese”. “Pensámos que este poderia ser também um serviço do ponto de vista cultural, dado que as bibliotecas têm também uma secção relacionada com a cultura, a religiosidade do património do Algarve e que poderia ser integrado nesta exposição e assim enriquecê-la”, afirmou.

O padre António de Freitas conta que “tem havido alguma participação”, embora “se calhar menos do que aquela que era expectável”. “Tem havido algumas visitas, mas não têm sido muito significativas”, testemunha.

A mostra, no salão nobre do Seminário de Faro, conta com a colaboração de alunos da área de turismo da Escola Secundária de Pinheiro e Rosa e continuará patente até ao dia 31 deste mês. A entrada é gratuita e pode ser feita de segunda a sexta-feira, entre as 10h e 12h30 e 14h e as 17h. As visitas podem também ser marcadas através do email eurodirect@ccdr-alg.pt.

Pub