Pub

Cruz e ícone mariano iniciam pela diocese algarvia a peregrinação por Portugal

Como tinha sido anunciado, os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) – a cruz e o ícone de Nossa Senhora – regressam ao Algarve no dia 29 deste mês, vindos de Espanha, da Diocese de Huelva, e serão recebidos pelos jovens algarvios em Vila Real de Santo António.

A chegada ao Algarve da cruz e do ícone mariano ‘Salus Populi Romani’, através do rio Guadiana, está prevista às 20h30 (hora portuguesa). No entanto, uma comitiva de algumas dezenas de jovens algarvios liderada pelo presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023, D. Américo Aguiar, e pelo bispo do Algarve, D. Manuel Quintas, deslocar-se-á a Ayamonte (Espanha) para participar na eucaristia de despedida, presidida pelo bispo local, D. Santiago Gómez Sierra (e concelebrada pelos dois bispos portugueses) que terá lugar pelas 19h30 (hora espanhola, menos uma em Portugal), na igreja paroquial de Nossa Senhora das Angústias, seguida de procissão até ao porto fluvial.

O contingente português contará também com o padre Filipe Diniz, responsável nacional pela peregrinação dos símbolos, para além dos responsáveis algarvios da organização do evento.

Após o acolhimento dos símbolos em território algarvio, segue-se a procissão até à igreja matriz de Vila Real de Santo António, onde a cruz e o ícone permanecerão até às 22h, hora em que serão levados para a Praça da República, onde decorrerá a vigília de oração iniciada pelo bispo do Algarve, D. Manuel Quintas, que se prolongará até às 24h.

A diocese algarvia será a primeira das dioceses nacionais a receber os símbolos da JMJ que estiveram no Algarve pela última vez há 11 anos, no dia 13 de agosto de 2010, na preparação da edição de 2011, em Madrid (Espanha). Antes, a cruz e o ícone tinham estado no Algarve a 17 de outubro de 2003, no âmbito da preparação da JMJ de Colónia (2005), na Alemanha.

Depois da receção em Vila Real de Santo António, os símbolos irão peregrinar, de 30 de outubro a 6 de novembro, pelas paróquias que constituem a vigararia de Tavira. De 6 a 12 de novembro passarão pelas paróquias que constituem a vigararia de Faro, seguindo-se, de 12 a 19 daquele mês, as paróquias que constituem a vigararia de Loulé. Nos dias 19, 20 e 21 os símbolos estarão presentes na Jornada Diocesana da Juventude, em Monchique, e entre 21 e 26 de novembro percorrerão as paróquias que constituem a vigararia de Portimão. No dia 27 de novembro serão entregues aos representantes da vizinha Diocese de Beja que os virão buscar.

A Cruz da JMJ foi entregue pelo Papa João Paulo II aos jovens em abril de 1984 e marcou o início de uma peregrinação da juventude de todo o mundo; em 2000, o mesmo pontífice confiou aos jovens uma cópia do ícone de Nossa Senhora ‘Maria Salus Populi Romani’.

A cruz de madeira mede 380 cm de altura e pesa 31 kg; os braços medem 175 cm de largura e os painéis em madeira medem 25 cm de largura, e o ícone mariano mede 118 cm de altura, tem 79 cm de largura e 5 cm de profundidade, pesando 15 Kg.

As JMJ nasceram por iniciativa do Papa João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude.

Cada JMJ realiza-se, anualmente, a nível local (diocesano) no Domingo de Cristo Rei (até ao ano passado, a celebração decorria no Domingo de Ramos), alternando com um encontro internacional a cada dois ou três anos, numa grande cidade.

As edições internacionais destas jornadas promovidas pela Igreja Católica são um acontecimento religioso e cultural que reúne centenas de milhares de jovens de todo o mundo, durante cerca de uma semana.

com Agência Ecclesia

Pub