Pub

Foto © Samuel Mendonça

O Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul exigiu na sexta-feira ao Governo que autorize a contratação de pessoal técnico e auxiliar para o Centro Hospitalar do Algarve (CHA), sob risco de encerrarem serviços nas unidades hospitalares.

“Exigimos que o senhor ministro da Saúde emita um despacho autorizador para a contratação de trabalhadores daquelas carreiras, contribuindo desta forma para um melhor desempenho do Serviço Nacional de Saúde (SNS) na região, numa altura em que se aproxima o período mais crítico em afluência aos serviços de saúde do Algarve”, destacou o sindicato em comunicado.

De acordo com a estrutura sindical, a falta de pessoal técnico e auxiliar “pode fazer diminuir em breve as camas nos internamentos e encerrar serviços no CHA”.

A estrutura sindical assegurou que o problema tem sido reconhecido pela administração hospitalar nas várias reuniões mantidas, sendo a justificação sempre a mesma: “Não há autorização para contratar mais trabalhadores”.

“Sempre que questionamos a administração para o excesso de trabalho suplementar do pessoal técnico e auxiliar, é-nos dito que efetivamente há falta de pessoal, mas não têm autorização para contratar mais trabalhadores”, sublinhou o sindicato.

O sindicato estima que para a carreira auxiliar de ação médica – assistentes operacionais – a necessidade “seja de cerca de 60 trabalhadores para que os serviços consigam funcionar normalmente”.

O sindicato lamentou que o ministro da Saúde fale na contratação de mais médicos e enfermeiros para o SNS sem referir a contratação de pessoal de outras carreiras.

“Como é do conhecimento geral, no SNS e por maioria de razão nos hospitais trabalha-se em equipa, da qual fazem parte trabalhadores das carreiras técnicas, como técnicos de diagnóstico e terapêutica, e auxiliares de ação médica – assistentes operacionais – que são imprescindíveis para o bom funcionamento de qualquer serviço”, lê-se no documento do sindicato.

Pub