Pub

Protesto_saudeSindicalistas e comerciantes promovem hoje uma ação simbólica junto a uma praia em Albufeira para alertar para a falta de condições dos serviços de saúde locais, distribuindo panfletos e material de uso clínico a turistas e residentes.

Durante a iniciativa vão ser distribuídos panfletos em português, inglês e espanhol e, simbolicamente, espátulas em madeira usadas para examinar a garganta, material que já faltou em vários centros de saúde algarvios, disse à Lusa Nuno Manjua, do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), uma das entidades que promovem a ação.

Segundo aquele responsável, o Serviço de Urgência Básica (SUB) de Albufeira, uma das unidades que mais atendimentos regista no verão, está a entrar em “rutura completa”, não só devido à falta de pessoal administrativo e enfermeiros, como também pela degradação das condições de higiene, o que leva a que o funcionamento do serviço seja “caótico”.

Nuno Manjua lembrou que o SUB de Albufeira é um “ponto de atendimento de urgência essencial”, por estar localizado num concelho muito turístico e por estar relativamente distante dos hospitais de Faro e Portimão (a cerca de 30 quilómetros), lamentando que até agora não tenha havido o habitual reforço de verão para aqueles serviços.

Aquele dirigente sindical frisou que a falta de recursos humanos está a causar o esgotamento dos trabalhadores em funções, que trabalham vários dias seguidos sem ter folgas e apontou o caso do SUB de Albufeira como um dos mais graves, por não haver assistentes operacionais para fazer escalas.

Nuno Manjua exemplificou, ainda, que a falta de um assistente operacional para levar, por exemplo, um doente ao Raio-X implica que esse mesmo doente seja transferido para Loulé ou para Faro para fazer a radiografia, com implicações nos custos para o Serviço Nacional de Saúde.

Na manhã de hoje, aquele dirigente sindical afirmou ter participado na reunião de câmara em Albufeira, durante a qual aproveitou para expor a degradação do serviço no SUB de Albufeira, mas lamentou que o presidente da autarquia, Carlos Silva e Sousa, não se tenha mostrado disponível para tomar qualquer posição.

“Embora saibamos que a Câmara de Albufeira não tem responsabilidades diretas na matéria, lamentamos a postura do presidente, que se limitou a balbuciar umas palavras”, afirmou, sublinhando que o vereador do PS Fernando Anastácio e a vereadora independente Ana Vidigal, com o pelouro da Saúde, se mostraram atentos à situação.

A iniciativa de quinta-feira está a decorrer desde as 10:30, junto ao túnel da praia do Peneco, em Albufeira.

Além de representantes do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, participam na ação o Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Regiões Autónomas e a Associação de Comerciantes de Albufeira (ACOSAL).

Pub