Pub

Quarto_hotelA taxa de ocupação média por quarto no Algarve subiu 1,6% em novembro relativamente ao mesmo mês de 2012, tendo-se situado nos 31,1%, segundo dados avançados ontem pela principal associação hoteleira da região.

A Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA) divulgou os dados provisórios da ocupação nas unidades de alojamento da região, que apontam também para uma subida no volume de negócios de 2,4% relativamente a novembro de 2012.

Os mercados alemão e francês foram apontados pela AHETA como sendo os que registaram as principais subidas homólogas em novembro, com 44,8% e 33,8%, respetivamente.

“As maiores descidas ocorreram nos mercados irlandês (menos 12,5%) e português (menos 4,7%)”, acrescentou a AHETA em comunicado.

A associação algarvia precisou que as “zonas de Tavira (mais 27,3%) e Lagos/Sagres (mais 19,1%) foram as que apresentaram as maiores subidas nas ocupações”, enquanto “as maiores descidas ocorreram em Vilamoura/Quarteira/Quinta do Lago (menos 6,5%) e Albufeira (menos 4,3%)”.

Monte Gordo/Vila Real de Santo António foi a zona onde, segundo a AHETA, se verificou a “taxa de ocupação média mais elevada”, com 64,3%, tendo a mais baixa sido registada em Lagos/Sagres, com 20,9% da capacidade total ocupada.

Relativamente às categorias, os aldeamentos e apartamentos turísticos de 3 estrelas e os hotéis e aparthotéis de 4 estrelas tiveram aumentos de 5,7%, que representam as maiores subidas nas ocupações, enquanto os hotéis e aparthotéis de 3 estrelas sentiram as maiores quebras, com menos 11,8% do que em novembro de 2012, referiu ainda a AHETA.

A associação sublinhou que, mesmo com esta descida, foram os hotéis e aparthotéis de 3 estrelas “os que apresentaram a ocupação mais alta” de novembro, com 43,1%.

Já os aldeamentos e apartamentos turísticos de 3 estrelas registaram a ocupação mais baixa, com 18,2%, acrescentou.

A AHETA observou que “estes dados se referem apenas às unidades que não encerraram no período em análise”, uma vez que há unidades de alojamento que encerram a sua atividade em época baixa e não são contabilizadas.

Pub