Breves
Inicio | Economia | Trabalhadores da Petrofer no Algarve decidem suspender contratos

Trabalhadores da Petrofer no Algarve decidem suspender contratos

PetroferOs trabalhadores dos postos de combustível da Petrofer no Algarve decidiram hoje em plenário avançar para a suspensão dos contratos devido a salários em atraso e à falta de combustível para venda e de respostas da administração, disse a porta-voz.

Cátia Morais, da Comissão Sindical da Petrofer, referiu à agência Lusa que a nova administração ainda não deu respostas aos trabalhadores sobre os dois meses de salários em atraso, situação que afeta a maioria dos 54 funcionários dos seus 14 postos de abastecimento no Algarve, que “terão agora que dar à empresa um pré-aviso de oito dias” antes de avançar com a medida.

A 31 de outubro, Cátia Morais tinha dito à Lusa que os trabalhadores tinham um conjunto de problemas que pretendiam ver resolvidos, nos quais se incluía também a falta de combustível e de materiais para venda nos postos da empresa, que “foi vendida a 30 de setembro”.

“Estava prometida uma posição da empresa para dia 07 de novembro, mas isso não aconteceu, os trabalhadores já estão cansados que lhes digam que é hoje, é amanhã, é depois e a resposta nunca chega. Todos temos de comer, contas para pagar e esta situação é incomportável, por isso decidimos avançar para a suspensão dos contratos”, afirmou hoje a dirigente da Comissão sindical.

Cátia Morais precisou que esta suspensão “vai permitir que os trabalhadores recorram ao fundo de desemprego”.

Os trabalhadores estão desde o fim do plenário concentrados à porta da sede da empresa em Faro na “tentativa de pressionar a administração a dar uma resposta” e vão ao início da tarde decidir se permanecem no local em piquetes até terminar o horário de expediente.

“Estamos iguais ao que estávamos a 31 de outubro. Ainda não conseguimos falar com ninguém da nova administração e continuam a adiar consecutivamente esta situação, o que é lamentável”, criticou.

Cátia Morais recordou haver “algumas pessoas que, depois de o salário ter vencido, a 09 de novembro, já têm três meses em atraso”. Além disso, apontou, os postos “estão sem combustíveis, sem materiais nas lojas” e os funcionários “não têm nada para fazer”.

A agência Lusa tentou obter esclarecimentos da administração da empresa, com sede em Faro, mas tal não foi possível até ao momento.

Verifique também

Hoteleiros algarvios preocupados com greve de motoristas mas confiantes nos serviços mínimos

A principal associação hoteleira do Algarve mostrou-se hoje “preocupada” com o impacto da greve de …